Meia centena de adeptos locais insultaram a selecção portuguesa no aeroporto de Sarajevo. Os bósnios começam desde já a tentar destabilizar a concentração dos jogadores lusos através de um ambiente "infernal".

Os militares da GNR integrados nas Forças da União Europeia (EUFOR) de serviço na Bósnia ainda se ofereceram para formar um cordão de segurança à comitiva portuguesa, o que não foi autorizado pela administração do aeroporto.

A delegação lusa teve ainda de passar por uma invulgarmente longa permanência na zona da alfândega, com várias malas a serem abertas, ao contrário do que é habitual em viagens de selecções, a este nível.

A selecção portuguesa viajou de imediato para Zenica, a cerca de 80 km de Sarajevo, onde fica alojada até ao jogo de quarta-feira.

A chegada a Zenica foi radicalmente diferente, sem qualquer manifestação hostil por quem presenciava a entrada dos portugueses no hotel.

Depois da vitória por 1-0 na primeira mão do play-off de acesso ao Mundial 2010, Portugal tentará no estádio Bilino Polje segurar esta "magra" vantagem de modo a qualificar-se para a África do Sul.

No entanto, pela amostra deixada hoje no aeroporto, os bósnios prometem fazer a vida negra à selecção nacional.

Perante os factos ocorridos à chegada, Gilberto Madaíl, presidente da Federação Portuguesa de Futebol, pondera apresentar queixa junto do delegado da FIFA.

O Bósnia - Portugal joga-se esta quarta-feira às 19h45.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.