"É um enorme prazer regressar à selecção. Espero que os nossos objectivos sejam atingidos. Acredito que com o esforço e empenho de todos conseguiremos alcançar os triunfos desejados, numa tarefa que será difícil, mas está longe de ser impossível", disse o benfiquista de 33 anos, já com 75 internacionalizações e 29 golos por Portugal.

Nuno Gomes já participou em três desafios nesta campanha, nomeadamente 23 minutos na vitória 4-0 na Albânia, 18 na derrota caseira 2-3 com a Dinamarca e 15 no nulo (0-0) em Braga com a Albânia.

Maniche, que apenas disputou os dois primeiros desafios (jogou 117 minutos), encara o regresso à selecção "com a mesma motivação de sempre tanto mais que se avizinham dois jogos absolutamente decisivos para as nossas aspirações de marcar presença na fase final do Mundial".

"Esta é uma selecção habituada aos grandes palcos e aos grandes jogos e, como tal, os ambientes que nos esperam em Copenhaga e Budapeste não irão intimidar. Bem pelo contrário, é nestes jogos que mais gostamos de jogar e de mostrar a nossa qualidade. É óptimo estar de regresso e espero ser mais um a contribuir para que a Selecção atinja os seus objectivos", vincou o médio do Colónia.

O guarda-redes Eduardo, que "roubou" a titualidade a Quim nos dois últimos desafios oficiais (em casa com Suécia e fora na Albânia) acredita que Portugal "tem capacidade para conseguir o que todos os portugueses desejam, duas vitórias".

"Estamos conscientes de que a tarefa não é fácil, mas temos toda as condições e capacidade para o conseguir. Teremos, acima de tudo, que transpor para o colectivo a qualidade individual dos nossos jogadores, dos melhores do Mundo. Se o conseguirmos, teremos meio caminho andado para chegar aos triunfos. Depois, há que jogar com determinação, responsabilidade e mostrar todo o orgulho que temos por envergar a camisola da nossa Selecção", frisou o bracarense.

Bosingwa, que soma quatro desafios completos em seis possíveis, alinhando ainda meia parte contra a Suécia, considera que as visitas à Dinamarca e Hungria "vão ser mais dois jogos de crucial importância para as aspirações de Portugal".

"Queremos marcar presença no Mundial e para isso é fundamental conseguirmos seis pontos para perseguirmos ainda o primeiro lugar no grupo. Sabemos que não dependemos só de nós, mas teremos de colocar pressão sobre a Dinamarca e esperar que os nórdicos percam pontos nas restantes partidas. Estamos unidos em torno do objectivo comum de vencer e vamos ter de dar o nosso máximo nestes dois jogos fora de casa diante de adversários directos", resumiu o atleta do Chelsea.

Tiago lembra que Portugal está "ainda numa fase inicial da temporada, mas em condições de fazer dois bons jogos".

"É fundamental que nos apresentemos bem. Os jogadores têm actuado com regularidade nos seus clubes, pelo que o grupo estará bem preparado. Vai ser necessária toda a nossa dedicação para estas duas autênticas finais. Tive um pequeno problema no último fim-de-semana, mas já me encontro bem para ajudar a Selecção", concluiu o médio da Juventus.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.