Carlos Queiroz começou a conferência falando sobre as possíveis ausências e a equipa titular, nomeadamente sobre o lugar de Liedson na Selecção Nacional. “Acho que não será muito difícil de, nem será nenhum abuso de comunicação, admitir a titularidade de Liedson. Ele está cá para isso, como todos os jogadores”, salientou.

Ainda ontem Cristiano Ronaldo falava sobre a forma de jogar da selecção húngara, e Queiroz lembrou o último jogo da selecção contra a Hungria: “O jogo foi duro, mas eu acho que Portugal correspondeu muito bem, lutando por todas as bolas do princípio ao fim e pondo tudo dentro do campo para ganhar o jogo”.

Mas Portugal não depende apenas de si para obter o carimbo para o passaporte até África do Sul. Apesar disso, o seleccionador só pensa em conseguir levar a equipa das "quinas" para o Mundial 2010, e abstrair-se de outros resultados. “Vamos estar de olhos postos só no jogo com a Hungria, bem como os ouvidos e a alma. Só podemos controlar aquilo que está ao nosso alcance e é sobre isso que temos de nos concentrar. A própria Dinamarca está numa situação hoje que pode ser primeira, segunda ou até nem se classificar. Isto mostra as dificuldades deste grupo, onde todos lutam para a qualificação para o Mundial, é preciso lutar até ao último segundo”, disse Queiroz acrescentando que, no sábado, “não haverá ainda qualquer decisão”.

O seleccionador deixou ainda uma nota para a equipa de arbitragem:” Faço votos para que a arbitragem seja boa e peço, e estou na expectativa para que seja atenta e rigorosa, que não penalize a equipa portuguesa, como já aconteceu”.

Acima de tudo, Carlos Queiroz espera que este jogo contra a Hungria “seja um grande espectáculo e que o público traga também o equipamento", pois vai ser um elemento importante nestes dois jogos em casa.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.