Carlos Queiroz qualifica Deco como um “ex-jogador em actividade profissional, que devia pedir desculpas aos adeptos portugueses” por se ter apresentado no estágio da selecção portuguesa de futebol, antes do Mundial2010, em “forma miserável”.

“Uma das piores coisas que existem no futebol e na vida de um treinador e de uma equipa é quando nos cruzamos com um ex-jogador em actividade profissional de carácter duvidoso”, disse hoje o ex-seleccionador à agência Lusa, reagindo às declarações de Deco numa entrevista publicada na sexta-feira no jornal Record, na qual o jogador o acusa de ser “uma pessoa falsa”.

Para Carlos Queiroz, as opiniões de Deco a respeito do seu carácter, “sobretudo quando as compara com o anterior seleccionador” [Luiz Felipe Scolari], são, para si, “um elogio” e considera que o jogador “devia preocupar-se, em primeiro lugar e por honestidade intelectual, em dar uma resposta aos adeptos do Fluminense”, seu actual clube.

O ex-seleccionador, que se encontra no Brasil há mais de uma semana, sustenta que “é perante esses adeptos” que devia assumir a sua responsabilidade profissional: “Isto para evitar o que oiço dizer no dia a dia por parte deles em relação ao seu rendimento, tendo em atenção o salário que aqui veio desfrutar”.

Virando a agulha para os adeptos portugueses, Carlos Queiroz, entende que Deco também deveria pedir-lhes desculpa por “se ter apresentado no estágio da selecção nacional numa forma miserável”, não estando “à altura das responsabilidades de um campeonato do mundo e do jogador que foi”.

Apesar de Deco ter dito que “não queria bater em mortos”, numa referência ao ex-seleccionador, acusou Queiroz de ter querido mandá-lo embora do estágio durante o Mundial da África do Sul, intenção que não foi avante porque os responsáveis da FPF não o terão permitido, depois de o médio ter questionado as opções tácticas do treinador no jogo com a Costa do Marfim.

“É curioso que saiba tanto sobre o que se passou, sem estar presente e sem ter participado em qualquer decisão, mas talvez os adeptos e alguma imprensa percebam agora de onde surgiram as intrigas em torno do seleccionador nacional”, observou Queiroz, para quem Deco “procurou desculpar-se da exibição comprometedora” que realizou frente à Costa do Marfim, a qual “o treinador do Benfica classificou de forma apropriada”, acrescentou o técnico, referindo-se à afirmação proferida então por Jorge Jesus: “Deco anda a gasóleo”.

O anterior seleccionador aludiu ainda a uma “lesão conveniente” contraída pelo médio antes do jogo com o Brasil, acrescentando: “se pensava que tinha lugar garantido por se chamar Deco, enganou-se rotundamente. Desejo-lhe felicidades, sobretudo ao Fluminense”.

Carlos Queiroz, entretanto substituído por Paulo Bento, foi despedido pela Federação Portuguesa de Futebol (FPF) na sequência da suspensão de seis meses imposta pela Autoridade Antidopagem de Portugal (ADoP), sob a acusação de ter perturbado uma acção de controlo à selecção no estágio da Covilhã, antes do Mundial2010, depois de ter sido ilibado pelo Conselho de Disciplina da FPF.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.