Um mês depois dos graves incidentes que ofuscaram o jogo entre Inter Milão e Nápoles, a equipa do sul de Itália regressa este sábado ao estádio San Siro, em Milão, para defrontar o AC Milan, clube onde Carlo Ancelotti obteve as maiores conquistas da sua carreira.

Esta é a primeira vez que o técnico italiano defronta o AC Milan no mítico estádio onde triunfou com as cores dos rossoneri enquanto jogador (duas Ligas dos Campeões) e treinador (duas Ligas dos Campeões).

Depois de sair do AC Milan em 2009, Ancelotti já regressou a San Siro, mas para defrontar o 'rival' Inter no passado dia 26 de dezembro, quando violentos confrontos entre as claques dos dois clubes terminaram com a morte de um adepto do Inter.

Devido a estes incidentes, as medidas de segurança foram reforçadas para a partida de sábado. Apesar do risco, os adeptos do Nápoles foram autorizados a assistir ao jogo no recinto desportivo.

O duelo de sábado marca também o regresso aos relvados do defesa central Kalidou Koulibaly após dois jogos de suspensão devido ao cartão vermelho que viu na partida frente ao Inter de Milão na sequência dos insultos racistas de que foi alvo.

"De alguma forma gosto de me ter tornado um símbolo da luta contra o racismo, mas por outro lado, não. Não é bom ter que enfrentar uma situação como esta outra vez. O futebol é um desporto popular, e cabe a nós dar mais um passo contra a discriminação e o racismo", declarou o senegalês esta quinta-feira em entrevista ao portal oficial do Nápoles.

Em relação à partida de sábado, haverá muito em jogo, especialmente para o AC Milan, que atualmente ocupa o quarto lugar na zona de classificação para a Liga dos Campeões, mas sabe que outras equipas podem superá-lo em caso de deslize, como a AS Roma (quinta classificada, com um ponto a menos) ou a Atalanta (sétima com três pontos a menos), que se defrontam no domingo, em Bérgamo.

A jornada da Serie A também pode marcar a estreia no AC Milan do avançado polaco Krzysztof Piatek, contratado ao Génova para ocupar o lugar deixado por Gonzalo Higuain, que pertence à Juventus e que foi emprestado ao Chelsea.

O Nápoles (segundo classificado na tabela), tem uma margem de sete pontos à frente do Inter (terceiro), que visita o Torino (11º), mas ainda sonha em aproximar-se da líder Juventus, que tem nove pontos a mais e que vai defrontar a Lazio (6º) fora de casa.

"Nós conseguimos derrotá-los em algumas ocasiões nas últimas temporadas. Se nos entregarmos 110% e tivermos um pouco de sorte, podemos conseguir", disse Ciro Immobile, avançado da Lazio.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.