O técnico português José Mourinho disse hoje que a Roma terá duas finais pela frente para garantir o acesso direto à Liga Europa de futebol, com o Torino, na Liga italiana, e com o Feyenoord, na Liga Conferência Europa.

"Temos duas finais para jogar e, hipoteticamente, podemos perder as duas e acabar fora das Taças. Eu sei que há risco, os jogadores sabem disso e não é uma situação fácil de gerir”, começou por dizer o treinador luso dos ‘giallorossi’, durante uma conferência de impressa organizada pela UEFA, em Trigoria.

‘Mou’ admite que é “capaz de pensar só na sexta-feira [última jornada da Serie A em Torino]”, pelo que é “preciso dar tudo”, uma vez que, em caso triunfo, assegura a presença na Liga Europa de forma direta. Caso vença a final em Tirana, diante dos neerlandeses, também garante um lugar na fase de grupos da segunda prova da UEFA em 2022/23.

Contudo, a quinta final europeia de Mourinho é a “mais importante” e o treinador da Roma, no qual atuam os compatriotas Rui Patrício e Sérgio Oliveira, explica porquê.

"Esta final, para mim, será a mais importante da carreira, porque eu ainda tenho de jogar e, talvez, ganhar. Para mim, jogar uma final é sempre importante. Vamos chegar com 15 jogos, um compromisso que pagámos na liga, então queremos vencer. Primeiro, porém, há o Torino. E eu sinto muita euforia”, observou.

As muitas viagens, os “jogos difíceis, principalmente os disputados fora de casa”, assim como “os erros dos árbitros e do VAR”, acabaram por custar pontos na Serie A, na qual a Roma é sexta colocada, com 60 pontos, contra os 63 da rival Lazio (quinta), sendo que a Fiorentina (sétima) e Atalanta (oitava), ambas com 59, também estão na luta pelos lugares de Liga Europa.

Para os dois encontros decisivos da época, o conjunto da capital transalpina não tem o central Smalling nas melhores condições, nem o médio Mkhitaryan, segundo ‘Mou’, que se mostrou esperançoso nas recuperações da Nico Zaniolo e Rick Karsdorp.

José Mourinho pode tornar-se no primeiro treinador a vencer as três competições da UEFA, Liga dos Campeões, Liga Europa e Liga Conferência Europa, sendo já o primeiro a marcar presença na final das três.

No primeiro ano à frente da Roma, o técnico português alcançou a sua quinta final europeia, tendo vencido as quatro que já disputou, duas Ligas dos Campeões, uma pelo FC Porto, em 2004, outra pelo Inter de Milão, em 2010, uma Taça UEFA, em 2003, pelo FC Porto, e uma Liga Europa, em 2017, ao serviço do Manchester United.

Por outro lado, levará a Roma a uma final europeia 31 anos depois, visto que a última em que o clube romano esteve presente foi em 1991, na final da Taça UEFA, que perdeu para o Inter de Milão.

Tem mais duas registadas no seu historial, a Taça das Cidades com Feiras (antecessora da Taça UEFA), em 1961, que venceu ao bater os ingleses do Birmingham, e a Taça dos Campeões Europeus, em 1984, na qual saiu derrotado pelo Liverpool nos penáltis, depois de um empate no final do prolongamento.

A final da Liga Conferência Europa, que vai opor a Roma ao Feyenoord, está marcada para o próximo dia 25 de maio, em Tirana, capital da Albânia.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.