“Se Walter Zenga pode ser o meu sucessor no Inter? Não sei, essas decisões cabem ao clube, não sou em quem decide, mas eu gostava que fosse.” As palavras de José Mourinho foram proferidas hoje, na véspera da recepção do Inter ao Palermo, comandado pelo histórico ex-guarda-redes dos nerazzurri.

O técnico frisou a amizade que os une como a razão da sua ‘escolha’. “Temos dois amigos em comum e isto pode ter criado alguma empatia, porque na minha filosofia quem é amigo de um grande amigo meu, é também meu grande amigo”, frisou, para explicar logo de seguida que o inverso é igualmente verdadeiro: “Do mesmo modo, quem é inimigo de um amigo meu, é meu inimigo também.”

Sublinhando a “volta ao Mundo” dada por Zenga até chegar a Palermo como motivo de respeito, Mourinho espera, todavia, que o antigo ídolo do Inter não faça uma surpresa em San Siro. “Se vence não faz bem, como é que pode treinar o clube no futuro se vence agora? É como os jogadores que marcam ao Inter, como posso pretender que eles façam parte desta equipa?”, concluiu Mourinho.

O Inter precisa de vencer para voltar a ganhar distância da Juventus na liderança do campeonato, uma vez que a equipa de Turim goleou a Sampdoria por 5-1 e colocou-se a um ponto dos campeões italianos.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.