As claques do Sporting lamentaram a morte Maria José Valério, autora da marcha do clube, que morreu hoje, aos 87 anos, vítima de covid-19, colocando-a no "panteão do sportinguismo".

A Juventude Leonina assinala que a morte de Maria José Valério “deixa o universo verde e branco de luto e mais pobre”, enquanto a Torcida Verde a coloca no “panteão do sportinguismo, onde permanecerá para todo o sempre”.

Ambas identificam a cantora como um dos maiores e mais valorosos símbolos do Sporting, lamentando que “o universo verde e branco” tenha ficado de luto “e mais pobre”.

“E este vírus calou a grande voz que marchou ao nosso lado estes anos todos de verde e branco. Irá sempre marchar entre nós quando as nossas vozes entoarem o hino em todos os estádios e pavilhões por este país e mundo e com toda a força gritaremos para todo o sempre, tal como diz a música: Viva o Sporting”, escreveu o Diretivo Ultras XXI, na sua página no Facebook, considerando que a “família fica mais pobre”.

De seu nome completo Maria José Valério Dourado, nasceu em 03 de maio de 1933, na Amadora e, além da Marcha do Sporting, protagonizou êxitos como "Menina dos Telefones", “Olha o Polícia Sinaleiro” e “As Carvoeiras”.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.