O presidente da Associação da Imprensa Desportiva Internacional (AIPS), Gianni Merlo, lembrou hoje que os jornalistas “não são o inimigo” em Tóquio2020, pelo que pediu a revogação de um conjunto de restrições que lhes são impostas.

O ‘playbook’ para os media é considerado demasiado castrador e violador dos direitos dos profissionais da comunicação social, destacando as inúmeras proibições e o facto de os jornalistas serem rastreados por GPS, que deve estar permanentemente ligado.

“Se a bateria falhar, se o telefone ‘morrer’, teremos de explicar à segurança o que aconteceu. Também querem saber com quem nos vamos encontrar, e isso não é correto, até porque a nossa privacidade vai ser totalmente eliminada”, criticou.

A regra que permite a ida a uma loja de conveniência para comprar comida é limitada pela ausência, rigorosa, de somente 15 minutos.

“Antes de ir, é preciso perguntar aos elementos de segurança se o podemos fazer. Depois, temos de voltar em 15 minutos. Caso contrário, não sei o que acontecerá. E se houver fila ou tivermos de andar um pouco para chegar lá? Os 15 minutos esgotaram-se”, exemplificou.

“O não cumprimento dessas regras pode resultar na retirada da credencial. Já imaginaram? Gastamos milhares de euros, somos colocados em quarentena, seguimos todas as regras e podemos perder tudo por estarmos 20 minutos numa loja de conveniência a pagar a comida. Isso é inaceitável”, vincou.

Em caso de saída dos poucos lugares autorizados, é necessário informar a segurança e preencher uma série de registos na saída e no regresso.

“É como ser um prisioneiro, a liberdade das pessoas está realmente em perigo. Mas há uma terceira coisa: se formos identificados a caminhar na rua, o segurança indicará para voltar para dentro e informa a organização de Tokyo2020. Uma infração pode resultar na nossa expulsão do Japão”, insurgiu-se.

O dirigente lamentou ainda o facto de os japoneses serem incentivados a fotografar e a publicar nas redes sociais estrangeiros que não estejam dentro das áreas permitidas.

“Já imaginaram isso? Estão a pedir à população do Japão para seguirem cada um de nossos movimentos e colocar nas redes sociais possíveis violações das regras. Isso é a coisa mais louca e pode gerar racismo”, alertou.

Gianni Merlo recordou que os media estarão no Japão “para levar uma mensagem de esperança, não para o destruir”, considerando que estas regras só existem porque o governo nipónico está a falhar com a vacinação no país.

“O povo do Japão não deve olhar para nós como o inimigo que traz o coronavírus”, acrescentou.

O dirigente disse ainda que entende que “o Japão é melhor do que isto” e que é necessário “encontrar uma solução em conjunto”, assumindo que os jornalistas “entendem como é difícil” esta organização, mas recordando que não estamos a viver “uma guerra”.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.