Andebol/Europeu: Portugal perde com a Alemanha, mas alcança 6ª lugar inédito

A seleção nacional conseguiu assim o direito a disputar o torneio de qualificação olímpico, em abril.
Andebol/Europeu: Portugal perde com a Alemanha, mas alcança 6ª lugar inédito
A desilusão portuguesa depois da derrota frente a Eslovénia, que colocou os lusos fora da luta pelas medalhas no Europeu de Andebol. (Photo by Jonathan NACKSTRAND / AFP) AFP or licensors

A seleção portuguesa de andebol terminou o Europeu na sexta posição, depois de perder hoje com a Alemanha, por 29-27, no jogo de atribuição do quinto lugar, em Estocolmo.

Apesar da derrota frente aos germânicos, num encontro em que perdia ao intervalo por 14-13, o jogo esteve sempre muito equilibrado e a diferença pontual entre as duas equipas nunca foi além dos três pontos.

Apesar da derrota, Portugal garantiu a sua melhor prestação de sempre em Europeus, melhorando o sétimo lugar de 2000.

A presença no encontro de atribuição do quinto posto já tinha garantido a Portugal a presença no torneio de qualificação para os Jogos Olímpicos Tóquio2020.

O percurso

A seleção nacional, que até quarta-feira tinha como melhor resultado no Campeonato da Europa o sétimo lugar conquistado em 2000, na Croácia, chegou a sonhar com a qualificação para as meias-finais, mas ficou com um sexto lugar como irrecusável 'prémio de consolação'.

Para chegar aqui, a seleção nacional venceu - e eliminou - a campeoníssima França, por 28-25, na estreia no grupo D da ronda preliminar, na qual cumpriu sem igual brilhantismo a tarefa de vencer a Bósnia-Herzegovina (27-24), antes de perder com a impressionante Noruega (34-28), que parece destinada a chegar à final.

A derrota em Trondheim com uma das anfitriãs do campeonato foi duplamente penalizadora, uma vez que os resultados entre as equipas apuradas transitam para a ronda principal, na qual voltou a estrear-se com um triunfo retumbante (35-25) sobre a Suécia, que já se sagrou quatro vezes campeã mundial, olímpica e europeia.

O triunfo sobre a anfitriã do grupo II da ronda principal, em Malmö, parecia capaz de lançar Portugal até para algo mais do que a melhor classificação de sempre, mas o sonho de subir pela primeira vez ao pódio desvaneceu-se nas derrotas com Islândia (28-25) e Eslovénia (29-24).

Já esta quarta-feira, a seleção portuguesa de andebol venceu a Hungria por 34-26 na última jornada do Grupo II da ronda principal, que permitiu discutir o quinto e sexto lugar do Europeu.

O último encontro no Euro2020 da equipa das 'quinas', que, além da melhor classificação de sempre na competição, também ganhou o direito a disputar o torneio de qualificação olímpico, em abril, será arbitrado pela dupla sueca composta por Mirza Kurtagic e Mattias Wetterwik.

 Os principais destaques

O guarda-redes foi a principal figura da equipa das 'quinas' no torneio, ao ponto de ter sido designado o jogador mais valioso nos jogos com a Bósnia e a Suécia, deixando quase sempre sentado no banco de suplentes o veterano Humberto Gomes, de 42 anos, que tem o dobro da idade do pivô Luís Frade, de 21, o jogador português mais jovem no Euro2020.

Antes do jogo inaugural, Humberto Gomes era o único atleta que tinha jogado na fase final do Europeu, em 2004, pois o pivô Tiago Rocha não chegou a atuar no torneio de 2006, apesar de ter sido convocado, reflexo da longa ausência de Portugal das grandes provas internacionais.

O ponta direito António Areia chegou ao último jogo como o melhor marcador luso, com 25 golos, mas quase metade (12) através de livres de sete metros, enquanto o colega do lado oposto Diogo Branquinho é o mais concretizador em ações de campo, com 19 remates certeiros.

O pivô e o lateral esquerdo André Gomes representam uma nova geração de sucesso do andebol nacional, tendo sido peças nucleares das seleções que terminaram em quarto lugar no Europeu de sub-20, em 2018, e no Mundial de sub-21, no ano seguinte.

O sucesso de Portugal não pode ser dissociado do FC Porto, que empresta nove jogadores à seleção, ou seja, metade do grupo de 18 convocados, entre os quais Quintana e todos os intérpretes do modelo atacante 'sete contra seis', desenvolvido pelo treinador portista, o sueco Magnus Andersson.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.

Veja também

 
 

Comentários

Reparámos que tem um Ad Blocker ativo.

A informação tem valor. Considere apoiar este projeto desligando o seu Ad Blocker.

Pode também apoiar-nos subscrevendo a nossa , as nossas notificações ou seguindo-nos nas redes sociais Facebook, Instagram e Twitter.