A serra da Freita, em Arouca, vai ser o palco da prova de trail ‘Voltas do Impossível’, em 23 de maio, uma reedição da norte-americana Barkley Marathon, que homenageia os mineiros da região.

“Os atletas vão provar-me que o impossível é possível, porque não faz sentido realizar uma prova que não possa ser feita. Tem de haver o desafio da superação individual”, explicou o organizador da corrida, José Moutinho, da Confraria Trotamontes, em declarações à agência Lusa.

A Barkley Marathon é uma emblemática prova realizada no Tennessee, nos Estados Unidos, desde 1986, organizada por Gary ‘Lazarus Lake’ Cantrell, com um tempo limite de 60 horas para os 100 milhas (160 quilómetros) das cinco voltas do percurso inspirado na fuga de James Earl Ray, o assassino de Martin Luther King.

“Dizer que é uma Barkley Marathon à portuguesa é uma forma de descrever a prova, assim numa tradução livre. Eu já fiz quase tudo no trail, mas ainda não tinha tido coragem para reeditar esta prova em Portugal, em homenagem à história dos mineiros, que entravam nestas montanhas à prova de algo”, referiu José Moutinho.

A ‘Voltas do Impossível’ vai ser uma “adaptação à realidade portuguesa, às minas, com um cunho pessoal” do organizador, segundo o próprio, assegurando que esta prova não vai ser tão difícil como a norte-americana, que só foi completada 18 vezes por 15 corredores, e já foi retratada num documentário.

“Eu facilito muito a vida aos portugueses, porque vão poder usar um ‘tracking’ e não apenas uma carta e uma bússola. Eu limito a inscrição a 50, mas não apenas a aventureiros ou a quem faz orientação, porque o importante é gerir bem o percurso com o tempo, para que se consiga cumprir as cinco voltas ao percurso de 21 quilómetros, com 1.500 metros de desnível positivo, duas no sentido dos ponteiros do relógio e as restantes no contrário, num total de 15 horas”, detalhou.

A prova decorre dentro do geoparque de Arouca e vai homenagear os trabalhadores das minas de volfrâmio de Regoufe e Rio de Frades, onde vai partir a corrida, um local onde, durante a II Guerra Mundial, alemães e ingleses, rivais nesse conflito, exploravam aquele metal.

Demarcadas em 1914 e trabalhadas, também, por uma companhia portuguesa, de capitais ingleses, as minas foram perdendo utilidade até a exploração do Rio de Frades ser encerrada em 1956, com a autarquia arouquense a adquirir, em 2009, os principais edifícios do complexo, numa aldeia onde ainda vivem cerca de 10 famílias descendentes de mineiros.

A corrida vai contar com algumas das particularidades da Barkley Marathon, cujo tiro de partida é dado com o acender de um cigarro.

Em Portugal, a partida vai ocorrer entre as 00:00 e as 12:00, uma hora depois da alvorada com uma corneta, com a ignição de uma lanterna de petróleo, e, durante o percurso, os participantes vão recolher 13 comprovativos, no caso guias de transporte de volfrâmio da década de 1940.

A corrida vai ser feita em total autonomia, sendo apenas permitida assistência ao fim de cada volta, podendo ser considerados finalistas os que completarem três voltas, enquanto os que terminarem as cinco vão ter os nomes imortalizados numa rocha de xisto em Rio de Frades.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.