O colombiano Egan Bernal (INEOS) continuou hoje a demonstrar não ter rivais à altura na 14.ª etapa da Volta a Itália em bicicleta, conquistada pelo italiano Lorenzo Fortunato (EOLO Kometa).

Fortunato, de 25 anos, cumpriu os 205 quilómetros entre Cittadella e o Monte Zoncolan em 5:17.22 horas, batendo o esloveno Jan Tratnik (Bahrain-Victorious), segundo, por 26 segundos, e o também italiano Alessandro Covi (UAE Emirates), terceiro, por 59. Nelson Oliveira (Movistar) foi oitavo na etapa, a 2.18 minutos.

Egan Bernal deu nova demonstração de força e foi quarto, a 1.43 do vencedor, e reforçou a camisola rosa, com 1.33 minutos para o britânico Simon Yates (BikeExchange), que ascendeu a segundo, e 1.51 para o italiano Damiano Caruso (Bahrain-Victorious), terceiro.

Se Fortunato deu à estreante EOLO Kometa, de Alberto Contador, a vitória na subida mais exigente da 104.ª edição, erguendo os braços pela equipa do segundo escalão, ao vingar uma fuga, o ‘espetáculo’ de Bernal voltou a eclipsar as atenções da vitória em etapa.

É que o colombiano, ajudado por uma ‘super’ INEOS, voltou a mostrar que é o ciclista mais forte, pelo menos até aqui, e 'disparou' até ao topo, ultrapassando ciclistas que, na fuga, tinham começado a ascensão com cerca de seis minutos e meio de antecedência.

Da parte da fuga, que integrou Nelson Oliveira, foi Fortunato o mais forte, com uma subida competente, na qual Tratnik foi o que deu mais luta, mesmo que tenha feito os últimos 500 metros aos ziguezagues, a sentir nas pernas o que chamou de “história sem fim”.

“Estou tão feliz com o dia de hoje. Esta equipa é a melhor. Ataquei com o Vincenzo Albanese, a fuga foi tranquila. No início do Zoncolan, ataquei e mantive-me atrás de Tratnik. Tive boas pernas para o final, estou muito feliz”, resumiu o vencedor do dia.

Para trás ficaram vários candidatos, de Nelson Oliveira, oitavo em mais uma tentativa, ao holandês Bauke Mollema (Trek-Segafredo), no dia em que viu o seu líder, o italiano Vincenzo Nibali, dizer adeus definitivo à luta pelos primeiros lugares.

E foram muitas as vítimas do Zoncolan, a começar pelo protagonista da ‘novela’ deste ano: o belga Remco Evenepoel (Deceuninck-QuickStep) voltou a ceder, mesmo ajudado por João Almeida, e caiu para oitavo, já a 3.52 minutos do líder.

Outro dos derrotados foi o russo Aleksandr Vlasov (Astana), que começou a etapa em segundo e caiu para quarto, mesmo depois de a equipa cazaque ter ‘partido’ o pelotão a caminho do Zoncolan.

Quem aproveitou esse trabalho foi a INEOS e Simon Yates, que agora parece a mais credível oposição a Bernal, após um ataque a que só o ‘maglia rosa’ foi capaz de responder, antes de ele mesmo ficar para trás.

Apesar de voltar a trabalhar em prol de Evenepoel, João Almeida chegou no 18.º lugar e subiu dois postos na geral, para o 14.º, a 8.32 de Bernal, seguido de Ruben Guerreiro (Education First-Nippo), agora 15.º a 9.19, ao ser 21.º na etapa.

Oliveira, escapado, manteve o 27.º lugar, mesmo que se tenha aproximado de alguns dos ciclistas à sua frente na geral.

No domingo, a 15.ª etapa liga Grado a Gorizia em 147 quilómetros, com três subidas de terceira categoria no traçado.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.