As ausências dos ‘canibais’ eslovenos Tadej Pogacar (UAE Emirates) e Primoz Roglic (Jumbo-Visma), bem como do campeão de 2021, o colombiano Egan Bernal (INEOS), tornam a 105.ª edição da Volta a Itália em bicicleta uma corrida aberta.

Sem Pogacar e Roglic, que têm dominado, respetivamente, a Volta a França e a Volta a Espanha nos últimos anos, e que estão, novamente, concentrados no Tour, e sem o campeão em título Bernal, a recuperar do grave acidente que sofreu em janeiro, a procura pelos favoritos encontra mais de uma dezena de nomes.

Um dos inevitáveis tópicos é o que poderá fazer o português João Almeida na nova equipa, depois de trocar a Deceuninck-QuickStep pela UAE Emirates, em cima de um 2020 em que liderou 15 dias, e acabou em quarto, e de um 2021 em que foi sexto.

O jovem de 23 anos chega em boa forma e será líder incontestado na formação dos Emirados Árabes Unidos, na qual terá a companhia dos compatriotas Rui Costa, 27.º na única participação, em 2017, e Rui Oliveira, um estreante.

O equatoriano Richard Carapaz é um dos antigos vencedores a alinhar à partida, tendo triunfado em 2019, e lidera uma INEOS ‘apetrechada’ com boas ferramentas para defender o líder e com outra carta na manga, o britânico Tao Geoghegan Hart, outro jovem que ‘brilhou’ em 2020, como João Almeida, mas que levou a vitória final.

O britânico Simon Yates (BikeExchange-Jayco) é outro dos nomes a ter em conta, assim como o ‘regressado’ Tom Dumoulin, com o neerlandês à frente da Jumbo-Visma e à procura de repetir a rosa de 2017, numa formação que ainda tem um ‘trunfo’ no norueguês Tobias Foss.

Outras duplas marcam o leque de favoritos, este ano bem largo: Bauke Mollema e Giulio Ciccone encabeçam a Trek-Segafredo, enquanto o italiano Vincenzo Nibali, único a já ter vencido as três grandes Voltas, está ao lado do colombiano Miguel Ángel López na Astana, com o australiano Jai Hindley e o neerlandês Wilco Kelderman de novo juntos, como em 2020, agora na BORA-hansgrohe.

Ao longe surgem outros nomes, menos cotados para a vitória final, mas certamente candidatos ao ‘top 10’, como os franceses Romain Bardet (DSM) e Guillaume Martin (Cofidis), em boa forma este ano, o britânico Hugh Carthy (EF Education-Easy Post) e o homem a quem alguns chamam ‘Deus’, o espanhol Mikel Landa, numa Bahrain-Victorious que também conta com o neerlandês Wout Poels.

De fora das contas da geral estão outras ‘estrelas’ da ‘corsa rosa’, mas com objetivos diferentes: o espanhol Alejandro Valverde (Movistar) vai retirar-se no final do ano e deve aqui ‘caçar’ etapas, enquanto o neerlandês Mathieu van der Poel (Alpecin-Fenix) quer chegar à ‘maglia rosa’ na primeira semana e ficar em prova até ao fim.

Não faltam ‘sprinters’ puros na lista de partida, entre o colombiano Fernando Gaviria (UAE Emirates), o ‘pocket rocket’ australiano Caleb Ewan (Lotto Soudal) ou a ‘lenda viva’ britânica Mark Cavendish (QuickStep-Alpha Vinyl), que já venceu 15 etapas no Giro e vestiu de rosa duas vezes.

Outras figuras a ter em conta são os velocistas Arnaud Démare (Groupama-FDJ) ou Cees Bol (DSM), além de nomes mais completos como Giacomo Nizzolo (Israel-Premier Tech), num traçado repleto de oportunidades para chegadas ao ‘sprint’, pelo menos seis, e outras para especialistas em fugas e ‘puncheurs’.

Falando do traçado, este distingue-se desde logo dos últimos 50 anos por ter apenas 26 quilómetros de contrarrelógio ao todo: desde 1962 que não eram tão poucos, aqui espalhados entre 9.200 metros na segunda etapa e os 17,1 quilómetros da última, em Verona.

Apesar da menor preponderância do ‘crono’, uma das especialidades de João Almeida, também não é que a ‘corsa rosa’ se tenha virado para os escaladores puros, com pouca sequência entre grandes montanhas.

Entre o final da segunda semana, e o início da terceira, surgem as etapas mais desafiantes, mas um dia de descanso no meio retira dureza ao desafio, com vários dias ‘ondulantes’ mas sem subidas que façam grandes diferenças.

O Etna, logo ao quarto dia, é o primeiro teste real, com outros ‘passos’, do Fedaia ao Pordoi e ao Mortirolo, além do Blockhaus, em Pescara na nona etapa, na ‘ementa’, que conta com um total de 3.445,6 quilómetros, com um acumulado de altitude total de 50.580 metros.

As distâncias mais curtas de cada tirada são outra opção calculada pela organização, com um tríptico de etapas, da 15.ª à 17.ª, como grande teste, pela dureza e altitude, antes do 20.º dia, que combina o Pordoi, a ‘Cima Coppi’ desta 105.ª edição, e o Fedaia, antes do ‘crono’ final.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.