Nelson Oliveira, único português a vencer uma das etapas da Volta a Espanha em bicicleta deste ano, considerou hoje, no final da corrida, que o seu desempenho esteve "acima" das suas próprias expectativas para esta prova.

"Para mim, foi muito positivo. Cumpri os objetivos a que me tinha proposto, acima até do que pensei em ter quando cheguei à Vuelta. Tentei sempre ser combativo - uma vitória numa etapa, um segundo lugar que me soube a pouco - e no final penso que cumpri tudo aquilo que a equipa me propôs, no meu melhor", disse à agência Lusa o ciclista da Lampre-Merida no final da 21.ª e última etapa da Vuelta, em Madrid.

Oliveira, que terminou a Vuelta na 21.ª posição da geral - a menos de um segundo do ‘top20’ - salientou que a Lampre-Merida está "de parabéns" porque foi uma equipa "sempre muito combativa".

"A equipa, em geral, está de parabéns porque foi sempre combativa. E são duas etapas que levamos para casa. Estamos de parabéns", disse o português. Além da sua vitória, na 13.ª etapa (Calatayud-Tarazona), a equipa italiana conquistou ainda mais uma vitória, com o espanhol Ruben Molina a ser o mais rápido no sábado (20.ª etapa, entre San Lorenzo del Escorial e Cercedilla).

Já Tiago Machado (Katusha) terminou a prova com um sabor agridoce: trabalhou para o segundo lugar na geral do líder da equipa, o catalão Joaquím Rodriguez, a equipa manteve o primeiro lugar no ‘World Tour’, mas a camisola da classificação por pontos escapou para a Alejandro Valverde (Movistar).

O corredor de Vila Nova de Famalicão terminou a prova na 36.ª posição da geral, mas destacou que esta foi a sua "melhor participação numa prova de três semanas", realçada pelo facto de não se ter preparado para a corrida.

"Não fiz preparação para a Vuelta. Comecei a treinar no sábado antes da Vuelta, depois de uma pausa na temporada, devido ao cansaço. Mas fico satisfeito, porque fiz parte de uma grande prova que a equipa realizou: mantivemos o primeiro lugar no ‘World Tour’, tivemos o segundo lugar do ‘Purito’ e estamos satisfeitos com isso. Fizemos tudo para ganhar a prova, assumimos a corrida quando tínhamos de assumir, mas houve um adversário mais forte do que nós e quanto a isso não se pode fazer nada", realçou.

Machado reconheceu que o 36.º lugar "não é consentâneo" com o seu valor, mas vai para casa "satisfeito".

"Foi a melhor prova de três semanas que eu fiz. Embora o lugar não seja consentâneo com a minha qualidade - já fiz uma classificação final melhor em provas de três semanas -, mas acho que foi a prova mais bem conseguida da minha parte. Vou para casa satisfeito por ter realizado um bom trabalho e a equipa também está satisfeita com o trabalho que realizei", salientou.

A Vuelta terminou hoje em Madrid, após 21 etapas, com a vitória do italiano Fabio Aru (Astana), seguido do catalão Joaquím Rodriguez.

O troço final da última etapa foi acompanhado por milhares de espetadores, que encheram o Paseo del Prado, em Madrid, já perto da Praça Cibelles, onde estava colocada a linha de meta.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.