Joel Rocha e os seus jogadores fizeram uma “longa” travessia no deserto. Em cinco jogos, as derrotas foram-se acumulando e os preciosos pontos fugiam quase sempre por entre os dedos.

Só à sexta jornada o conjunto do Fundão conseguiu estrear-se a marcar pontos e longo três, alcançando uma vitória no terreno do Restelo por 3-2.

Em entrevista ao SAPO Desporto, o treinador, Joel Rocha, assume que «esta primeira vitória peca por tardia», mas revela que em momento algum os seus jogadores esmoreceram.

«O objetivo era ter a consciência onde estávamos a errar e ir à procura de soluções, em vez de procurar culpados. Não mudámos a nossa forma de pensar, treinar, jogar e consistentemente fomos crescendo (...) Nunca perdemos a concentração, a serenidade e continuámos a confiar muito naquilo que fazíamos», referiu o técnico.

Agora, Joel Rocha quer fazer deste triunfo um ponto de viragem na prestação do Fundão neste campeonato: «Deu-nos uma satisfação enorme pela forma como esta vitória foi conquistada. Foi uma demonstração de capacidade. Sempre disso que não estávamos mortos, estamos sim vivos e prontos para a luta».

Se por um lado o treinador tem consciência da importância do triunfo,  por outra quer que o seu grupo mantenha a humildade.

«Agora há que continuar a trabalhar. Isto são apenas três pontos que para já de nada servem os nossos objetivos», frisou Joel Rocha.

O treinador assumiu ainda que, em momento algum, se procuraram culpados neste grupo, porque no clube tudo funciona como «uma grande família».

O próximo desafio do Fundão é em casa com o Boavista no próximo fim de semana.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.