“Fomos nitidamente superiores, merecemos ganhar a supertaça por aquilo que fizemos, porque fomos melhores”, afirmou Orlando Duarte.

Nove anos depois de ter saído do comando técnico "leonino" como campeão português, regressou vitorioso: “No ano seguinte não pude disputar a supertaça, portanto estava em dívida e cumpri agora com o meu desejo, nove anos depois”.

Apesar do resultado dilatado, Orlando Duarte identificou um “ligeiro problema” na formação do Sporting, que acabou por ser resolvido ao intervalo.

“Apelidam a nossa equipa de ‘super-equipa’ e os nossos jogadores acreditaram em demasia na primeira parte que os nossos colegas faziam sempre tudo e não era necessário forçar tanto. Ao intervalo, rectificamos, penso que a tempo”, afirmou o técnico dos “leões”.

Cardinal, que foi transportado ao hospital de Torres Novas durante o jogo, regressou ao pavilhão desportivo municipal do Entroncamento após a entrega do troféu ao capitão do Sporting, João Benedito, que envergou, nesse ato, a camisola do “pivô”.

“Vai ter de voltar ao hospital, para fazer novo exame, mas, à partida, esperamos que não seja nada de grave”, frisou Orlando Duarte, admitindo que o jogador tenha perdido os sentidos durante a partida.

Também o treinador do Belenenses, que lamentou “algumas limitações” devido ao atraso na obtenção de certificados de alguns jogadores, afirmou que o “Sporting acabou por ser um justo vencedor”, apesar de considerar que “o resultado acabou por ser um pouco pesado, face ao desenrolar do jogo”.

“Foi um jogo equilibrado, mas, com estas limitações, sabíamos que com o decorrer do tempo as coisas iam ser dificultadas pela capacidade física que os meus jogadores não iam tendo”, admitiu Alípio Matos, lamentando a falta de “opções para refrescar a equipa”.

Para o treinador dos “azuis”, a lesão de Cardinal no choque com Marcão acabou por perturbar o guarda-redes.
“Claro, o Marcão ficou a chorar, preocupado e poderá, eventualmente, ter afectado. Isso não serve de desculpa, mas, a partir daí, aconteceram mais erros do que é habitual”, sublinhou Alípio Matos.

O técnico do Belenenses queixou-se ainda de uma grande penalidade não assinalada a favor dos “azuis”, classificando de “vergonhoso” o percurso do árbitro Francisco Parrinha nos seus “jogos decisivos”, acrescentando: "este é um sportinguista de gema”.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.