O golfista Rory McIlroy garantiu ter ficado surpreendido com as críticas por ter jogado com Donald Trump e assegurou que durante a volta que fez com o presidente dos Estados Unidos colocou a política de lado.

O norte-irlandês já tinha abordado a questão na semana passada, mas voltou a ser questionado sobre o assunto na terça-feira, pouco antes do início do WGC-Mexico Championship, no qual deverá voltar à competição após uma ausência de quase dois meses devido a lesão.

Logo após o jogo, que decorreu em 19 de fevereiro, McIlroy afirmou que só se apercebeu que o atual presidente dos EUA iria jogar pouco antes do início da volta.

“Pus de lado qualquer crença política”, afirmou, acrescentando: “Ver 30 agentes dos serviços secretos e atiradores nas árvores foi uma experiência surreal. Foi também por isso que quis ir jogar”.

O golfista garantiu que se o presidente fosse Barack Obama “também teria jogado”, e lembrou que já jogou com Bill Clinton e George W. Bush, antigos presidentes dos EUA.

“As pessoas podem ou não respeitar a pessoa, não me importo, mas ter a chance de jogar num cenário destes é uma experiência para toda a vida”, afirmou Rory McIlroy, atual terceiro classificado da hierarquia mundial de golfe.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.