O Benfica acusou o árbitro Paulo Rainha de ter, propositadamente, anulado o golo que poderia ter dado a vitória ao Benfica e o título nacional na derradeira jornada do campeonato de hóquei em patins. Em declarações à TVI24, Pedro Nuno, treinador dos ´encarnados` diz que a decisão de anular o golo de João Rodrigues a 23 segundos do final do jogo foi premeditado. A Federação diz que o clube terá de o provar.

"Quanto à premeditação, não sou jurista. Isso é uma palavra muito forte. Não teço nenhum comentário a afirmações tão fortes como as do Pedro Nunes, até pelo respeito que ele merece. Pensava que, oito dias depois, as coisas estivessem mais calmas. Premeditação é algo muito grave, e, se assim é, terá de provar que é verdade", afirmou Paulo Rodrigues, vice-presidente da Federação Portuguesa de Patinagem, em declarações à TVI24.

Nas mesmas declarações, o dirigente sublinhou que é necessário mudar o quadro punitivo para casos em que uma equipa boicota um jogo, como fez o Benfica nas meias-finais da Taça de Portugal. Paulo Rodrigues sublinha ainda que o maior derrotado nesta polémica é o hóquei em patins.

"Acho que não se colocam questões financeiras acima daquilo que é o hóquei em patins. É incomparável o custo que isto tem para a modalidade, relativamente a uma multa. Quem fica a perder não é o Benfica, o FC Porto, o Sp. Tomar e o Física. É o hóquei em patins. Vamos refletir muito bem. Há algumas ilações a retirar daqui. Passa a ser necessária uma punição maior para situações como estas", concluiu Paulo Rodrigues.

O Benfica empatou com o Sporting na derradeira jornada do nacional de hóquei em patins, entregando assim o título ao FC Porto.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.