Carlos Nicolia, chegou a Portugal proveniente do Valdagno, de Itália, e mostra-se agradado por ter sido muito bem recebido pelo Benfica e lembra que a existência de argentinos no plantel facilitará a sua adaptação.

“Encontrei um grupo que me abriu a porta a mim e à minha família. São jogadores que são grandes pessoas, sobretudo. Ter aqui o Tuco [Esteban Abalos] e o Carlos [López] é muito mais fácil, mas acredito que a minha ambientação vai ser mais fácil porque todo o grupo me abriram a porta desde o primeiro dia”, começou por dizer.

Aos 27 anos, o hoquista chega a Portugal para representar o Benfica e revela fome de títulos: “jogar no Benfica é atingir todos os objetivos do clube, fazer o melhor possível em todas as competições, agora treinar para o dia 27 [Supertaça de Portugal, frente ao Valongo]. Espero poder divertir as pessoas mas, sobretudo, trazer títulos com a equipa para o Benfica”, disse de seguida.

Em relação ao facto de ser comparado a Panchito Velasquez, antigo hoquista benfiquista, o desportista está orgulho por estar no mesmo clube que o seu ídolo.

“Foi o meu ídolo [Panchito Velasquez], quando era pequeno via todos os seus vídeos para o copiar. Saber que estou aqui é uma alegria muito grande. Acredito que ele era único e eu tento ser melhor a cada dia para fazer algo mais a cada jogo, para poder chegar a um título ou ganhar um jogo”, finalizou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.