O Comité Paralímpico de Portugal (CPP) criticou hoje a ausência de referências ao setor do desporto e às pessoas com deficiência no Programa de Estabilização Económica e Social e mostrou-se disponível para colaborar, enviando os seus contributos.

A estrutura paralímpica, que hoje remeteu para o governo os seus contributos para o plano, intitulado “Visão Estratégica para o Plano de Recuperação”, junta-se assim ao Comité Olímpico de Portugal, que também já criticou a ausência de uma visão estratégica para o desporto na recuperação económica do país, no âmbito da pandemia de covid-19.

A moção a apresentar ao Governo, aprovada por unanimidade na cimeira das Federações Desportivas, contém sete medidas, entre as quais a retoma das atividades do desporto federado em segurança e a sustentabilidade do modelo desportivo, através da “integração do setor nas linhas de financiamento e mecanismos extraordinários de apoio previstos a nível nacional e comunitário”.

O CPP defende também a criação de um “grupo de trabalho composto por representantes da administração fiscal, da administração pública desportiva e do movimento desportivo com vista a um estudo e elaboração de propostas de revisão geral do sistema de impostos e incentivos fiscais para o desporto”, e a promoção de políticas de “aumento da empregabilidade no desporto”.

O movimento paralímpico sugere a promoção do turismo baseada no “aproveitamento dos centros de treino desportivo” e o desenvolvimento de “uma campanha de sensibilização a nível nacional de apelo à importância do apoio ao desporto, com particular foco no papel dos clubes de formação no modelo desportivo nacional, com a participação ativa de atletas e treinadores de reconhecido prestígio nacional e internacional”.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.