O diretor-geral da Agência Antidopagem da Rússia (RUSADA) admitiu hoje que a decisão da Agência Mundial Antidopagem (AMA) de suspender o laboratório de Moscovo “era esperada” e disse estar em contacto com instituições estrangeiras para poder trabalhar.

“Apesar de ter sido uma decisão repentina, não foi uma surpresa para nós”, afirmou Yuri Ganus, em declarações à agência noticiosa Interfax, um dia depois da AMA ter proibido o laboratório russo de “analisar amostras de sangue ao abrigo do programa de passaporte biológico dos atletas”.

A decisão surge mais de um mês depois da AMA ter excluído a Rússia dos Jogos Olímpicos e de todas as competições mundiais durante quatro anos, devido a questões de doping levadas a cabo com o apoio estatal tornadas públicas há cerca de seis anos.

A AMA retirou, em 2015, a acreditação ao laboratório de Moscovo, devido ao escândalo de doping, mas em maio de 2016 autorizou a realização de análises para o passaporte biológico.

O organismo justificou a decisão com a “necessidade de garantir a continuação do módulo hematológico na Rússia” e referiu que “é praticamente impossível os laboratórios interferirem com as amostras sanguíneas”.

Yuri Ganus explicou, por esperar esta decisão, que a RUSADA “começou no ano passado a contactar laboratórios estrangeiros para averiguar a possibilidade de enviar mais amostras”.

O responsável da RUSADA explicou que o organismo está a colaborar com os laboratórios de Estocolmo, Colónia, Gent e Lausana, admitindo também a possibilidade de tentar acordos com laboratórios da Coreia do Sul e Japão.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.