O secretário de Estado da Juventude e do Desporto reúne-se esta semana com a Federação de Desportos de Inverno de Portugal (FDIP) para negociar o contrato de preparação para os Jogos Olímpicos de Inverno Pequim 2022.

Caso as partes cheguem a acordo, a verba pode ficar disponível no início do próximo ano, disse hoje João Paulo Rebelo, em declarações à agência Lusa, na Covilhã, à margem da Marcha Contra a Violência no Namoro, que contou com 1.900 alunos de escolas do concelho.

O governante informou que a data da reunião desta semana vai ser agendada em função da disponibilidade e, embora sublinhe que o contrato de preparação olímpica "dá descanso" à FDIP e aos atletas, vinca que a federação "nunca deixou de ser apoiada".

"Isto não significa nenhum hiato de tempo no seu apoio. É só uma questão de se fechar, de forma plurianual. No fundo, é uma questão de previsibilidade e de a federação saber com o que contar até ao final do contrato-programa. Isso dá descanso, naturalmente", disse João Paulo Rebelo.

Na semana passada, durante a gala anual da FDIP, o presidente do organismo, Pedro Farromba, pediu ao secretário de Estado da tutela celeridade no processo, para que a preparação para os próximos Jogos Olímpicos de inverno possa ser feita com a antecedência necessária.

"É urgente assinarmos o contrato. Precisamos colocar mais atletas a treinar e temos de treinar onde estão a melhores pistas e os melhores atletas do mundo. Temos feito um esforço para manter o que temos feito até agora e precisamos do programa de preparação olímpica", disse Pedro Farromba, durante a gala da FDIP.

O dirigente explica que quanto mais cedo os atletas começarem a competir nas provas em que podem tentar o apuramento maior é a probabilidade de conseguirem qualificar-se para os Jogos Olímpicos, que se realizam na China.

O programa de preparação olímpica contempla o apoio aos atletas que a federação entende terem potencial para poderem vir a obter os mínimos para os Jogos Olímpicos de Inverno.

Um dos objetivos do dirigente é ter mais atletas nos Jogos Olímpicos de Inverno em Pequim 2022, mas para isso pede ao Governo urgência na autorização do projeto olímpico aprovado pelo Comité Olímpico Português e a aguardar a anuência do Instituto Português do Desporto e da Juventude (IPDJ).

"Gostaria de, nos próximos jogos, levar mais atletas. Levámos dois. Mais um, já seria bom. A nossa ambição tem de nos colocar um bocadinho mais longe e eu gostaria de levar mais atletas e de outras modalidades. O snowboard é uma das que está com possibilidades de se poder qualificar", frisa o presidente da FDIP.

Em PyeongChang 2018, Kequyan Lam, no esqui de fundo, e Arthur Hanse, no esqui alpino, defenderam as cores nacionais.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.