O oligarca russo Vladimir Lisin perdeu hoje para o italiano Luciano Rossi as eleições para presidente da Federação Internacional de Tiro (ISSF), sendo afastado por nove votos da reeleição para um segundo mandato.

A promessa do italiano é a de “relançar esta modalidade”, após críticas também ao funcionamento da ISSF, que durante 38 anos teve o mexicano Olegario Raña como líder e responsável por uma modalidade que foi olímpica em todas menos duas edições dos Jogos da era moderna.

Este processo eleitoral esteve envolto em polémica, com críticas de parte a parte e denúncias de ameaça do 'campo' de Rossi, que já em 2018 tinha perdido a presidência para o russo por quatro votos, tendo aí denunciado pressões e ameaças de morte.

Em julho, o atirador olímpico português João Costa criticou Lisin, em declarações à Lusa, bem como o secretário-geral da ISSF, Alexander Ratner, agora presidente da confederação europeia, por terem “ideias estranhas em relação ao tiro”.

Tanto Lisin como Ratner foram instados a abandonar os cargos em abril, devido à guerra na Ucrânia, embora nenhum esteja na lista de sanções aplicadas a oligarcas russos.

Ambos receberam cartas de mais de uma dezena de federações nacionais, visando sobretudo Lisin, de 65 anos, um magnata do metal, como presidente e acionista maioritário da Novolipetsk, uma das quatro maiores empresas do setor na Rússia, com uma fortuna estimada pela Forbes em 24,4 mil milhões de euros.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.