Três halterofilistas tailandesas, com títulos olímpicos e mundiais conquistados, acusaram positivo num controlo antidoping, anunciou a federação internacional da modalidade.

Sukanya Srisurat, campeã olímpica no Rio2016 e mundial na categoria de -58 kg, está entre as três atletas que acusaram consumo de, pelo menos, um esteroide anabolizante e testosterona artificial, e pode ser suspensa por um período de oito anos, por ser reincidente.

Thunya Sukcharoen, campeã mundial de -45 kg, e Sopita Tanasan, medalha de ouro nos Jogos Olímpicos Rio2016 na categoria de –48 kg, também acusaram consumo de substâncias proibidas, enquanto Chitchanok Pulsabsakul, também da Tailândia, falhou igualmente o teste antidoping.

A Federação Internacional de Halterofilismo está sob pressão do Comité Olímpico Internacional (COI) para reforçar o combate ao doping.

O halterofilismo integra o programa olímpico desde Atenas1896, tendo ficado fora em apenas três edições. A modalidade consta no programa dos Jogos Tóquio2020, mas está de forma provisória nos Jogos Paris2024.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.

Ajude-nos a melhorar o SAPO Desporto