A Mercedes conquistou hoje a sexta ‘dobradinha’ da temporada, em oito possíveis, depois de o britânico Lewis Hamilton ter vencido o Grande Prémio de França de Fórmula 1, com o finlandês Valtteri Bottas a terminar em segundo lugar.

O domínio dos ‘flechas de prata' vem já da temporada passada, na qual o campeão mundial – que consolidou a liderança do campeonato de pilotos - venceu as duas derradeiras provas, no Brasil e em Abu Dhabi.

Esta temporada, depois de um inverno que parecia mostrar uma Ferrari mais poderosa, tem-se assistido ao controlo absoluto por parte da Mercedes, que viu os seus carros vencerem as oito provas já realizadas.

Bottas ganhou duas corridas, na Austrália e no Azerbaijão, enquanto Hamilton ganhou as outras seis, no Bahrein, China, Espanha, Mónaco, Canadá e, hoje, França.

O piloto britânico demorou 1:24.31,198 horas a cumprir as 53 voltas ao circuito de Paul Ricard, deixando Bottas a 18,056 segundos e o monegasco Charles Leclerc (Ferrari) em terceiro, a 18,985 segundos.

Esta foi a 79.ª vitória na carreira do piloto da Mercedes, que está a apenas 12 de igualar o recorde de Michael Schumacher (91), quando faltam 13 corridas para o final da temporada.

A corrida de hoje teve pouca história, pois Hamilton, saindo da ‘pole position', dominou desde o arranque: foi a 49.ª vez que o atual campeão mundial venceu saindo do primeiro lugar da grelha.

"Ele não é imbatível, mas preciso de trabalhar mais, pois hoje esteve muito forte", admitiu Bottas, conformado com a segunda posição, que o deixa a 36 pontos da liderança do campeonato, com 131 pontos, contra 187 do companheiro de equipa.

Certo é que Hamilton não se deixou surpreender. "Foi um bom fim de semana. Não me canso disto. Esta é uma excelente pista, onde existem muitas partes técnicas para ganhar tempo aos adversários", explicou o piloto da Mercedes, que ainda ficou "preocupado" com as "bolhas" que se formaram nos pneus.

Já o alemão Sebastian Vettel (Ferrari), que perdeu o primeiro triunfo da temporada por decisão dos comissários no GP do Canadá, apesar de ter cortado a meta em primeiro lugar, não conseguiu ir além do quinto posto e está já a 76 pontos de Hamilton.

Já depois de o britânico ter cortado a meta, o piloto da Ferrari garantiu a volta mais rápida da corrida, o que lhe valeu um ponto extra. Vettel tem 111 e viu o holandês Max Verstappen (Red Bull) aproximar-se, pois foi hoje quarto classificado em França.

O piloto da Red Bull tem, agora, 100 pontos, ocupando o quarto lugar do campeonato.

A McLaren começa a ressurgir depois de uma travessia no deserto. O espanhol Carlos Sainz foi sexto, a 1.35 minutos de Hamilton, igualando o melhor resultado da temporada, conseguido no Mónaco.

No Mundial de construtores, a Mercedes tem já 338 pontos, contra 198 da Ferrari e 136 da Red Bull.

Para tentar atenuar este domínio, os responsáveis da Liberty Media reuniram hoje com a Federação Internacional do Automóvel, os diretores das equipas, os responsáveis técnicos das dez equipas e representantes de pilotos (Hamilton, o alemão Nico Hulkenberg e o austríaco Alexander Wurz), tendo decidido adiar a apresentação dos novos regulamentos para outubro.

A próxima prova é o Grande Prémio da Áustria, que se realiza dentro de uma semana, em 30 de junho, no Red Bull Ring de Salzburgo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.