O piloto estónio Ott Tänak, atual campeão mundial de ralis, disse hoje ter ainda "muito tempo" para se sagrar bicampeão, numa altura em que ocupa o sexto lugar, a 22 pontos da liderança, com 10 provas por disputar.

Depois da desistência no rali de Monte Carlo, que abriu o campeonato entre 23 e 26 de janeiro, face a um despiste que o levou ao hospital e também ao navegador Martin Järveoja, Tänak somou os 20 primeiros pontos no mundial com o segundo lugar no Rali da Suécia, em fevereiro, e mostrou-se convicto de que pode anular a distância que o separa do primeiro classificado, o galês Elfyn Evans (Toyota).

"A diferença pontual para a liderança não constitui qualquer problema para já. Ainda estamos no início do campeonato. Temos muito tempo para o vencer. Precisamos de melhorar rapidamente, mas estamos a preparar-nos para subir na classificação", disse em Guimarães, na apresentação do rali Serras de Fafe e Felgueiras, prova em que vai participar na sexta-feira e no sábado.

O piloto, de 32 anos, mostrou-se "contente" por regressar a Portugal, país onde iniciou a participação em campeonatos do mundo (2009) e salientou que a primeira prova do campeonato nacional de ralis pode ajudá-lo, não só a preparar a próxima corrida do mundial, no México, entre 12 e 15 de março, mas também a ambientar-se melhor ao carro, um Hyundai i20 Coupe WRC.

"É importante para mim ter quilómetros extra no carro, para me adaptar melhor a ele. Quero ter a hipótese de passar mais tempo no carro, para me familiarizar mais. Estes eventos entre as provas do campeonato do mundo dão-nos esse tempo", reconheceu.

Campeão mundial pela primeira vez em 2019, ao volante de um Toyota Yaris WRC, o piloto da região do Báltico realçou que todos os carros em prova têm "personalidades diferentes", tendo elogiado a rapidez do Hyundai e o apoio da equipa que o acompanha na adaptação.

"Nunca é fácil mudar de equipa, e a adaptação ao carro leva sempre tempo, mas sinto muito apoio por parte da equipa para melhorarmos o mais rapidamente possível", notou.

Outro dos pilotos que compete pela Hyundai no mundial, o espanhol Dani Sordo, vai também participar pelo segundo ano seguido na prova que abre o campeonato português de ralis, tendo dito, na apresentação, que a corrida já o ajudou a preparar o rali do México - os troços de ambas as provas são de gravilha.

"Esta prova serve um pouco de preparação para o rali de México. Vai ajudar-nos a ter um pouco mais de ritmo. No ano passado, estive aqui e ajudou-me a preparar o rali do México", reconheceu o piloto, de 36 anos, cujo melhor registo no mundial é o terceiro lugar, em 2008 e em 2009.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.

Ajude-nos a melhorar o SAPO Desporto