O piloto luso foi transportado ao centro médico do circuito Red Bull Ring, em Spielberg, na Áustria, para realizar exames de diagnóstico, que, à primeira vista, não indicaram a presença de nenhuma fratura.

Contudo, o piloto de Almada não participou na segunda sessão, realizada na tarde de hoje, que teve no italiano Lorenzo Salvadori (Aprilia) o mais rápido.

A conferência de imprensa do piloto português promovida pela equipa KTM também foi cancelada.

Em declarações divulgadas pela assessoria de imprensa da equipa austríaca, Miguel Oliveira mostrou-se, “antes de mais, desapontado por este começo de fim de semana”.

“Durante a [primeira] sessão, o reservatório do óleo de travão estava muito próximo das manetes e não conseguia parar a mota, pelo que entrei nas boxes algumas vezes até perceber o que se estava a passar e melhorar o desempenho. Quando regressei à pista, saí um pouco largo na curva três, acelerei fora da trajetória e perdi o controlo de tração”, explicou Oliveira.

De acordo com o piloto luso, foi atirado “ao ar” e terá sido “atingido pelo guiador antes de aterrar”.

“Foi isso que me magoou mais. Temos estado a despistar danos maiores para ver se podemos continuar e o que poderemos fazer”, concluiu Miguel Oliveira, que regressava este fim de semana ao palco da sua primeira vitória no Mundial de MotoGP, em 2020.

Para sábado, estão previstas mais duas sessões de treinos livres e a qualificação para a corrida de domingo, a 10.ª do calendário de 2021 e a primeira após uma pausa de cinco semanas para férias de verão.

Miguel Oliveira chega a esta ronda que marca o início da segunda metade da temporada na sétima posição, com 85 pontos, a 71 do líder, o francês Fábio Quartararo (Yamaha).

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.