Portugal parte para os campeonatos europeus de natação adaptada, que decorrerão na Madeira, com o objetivo de conquistar medalhas, mas a competição vai também definir os cinco atletas lusos que irão participar nos Jogos Paralímpicos Tóquio2020.

Os oito nadadores portugueses que vão participar na competição, que decorrerá entre 16 e 22 de maio, têm mínimos para os Jogos Paralímpicos, nos quais Portugal tem uma quota de participação de quatro atletas masculinos e um feminino.

A seleção para Tóquio será feita através da posição no ‘ranking’, o que confere aos europeus do Funchal “uma certa tensão interna, vivida num ambiente salutar”, referiu Daniel Viegas, Diretor Técnico da Natação Adaptada (DTN), à agência Lusa.

“Queremos atingir medalhas, tal como aconteceu nas duas últimas edições, mas a competição será também uma oportunidade de cada nadador se superar para tentar a melhor posição no ‘ranking’”, disse.

O DTN garante que, apesar de existir uma espécie de “luta individual”, o ambiente na seleção portuguesa aos europeus, na qual “todos procuram a superação”, é “muito positivo”.

“As quotas impostas pelo Comité Paralímpico Internacional para os Jogos Tóquio2020 obrigam-nos a fazer escolhas, achámos que a mais justa seria através do ‘ranking’”, afirma Daniel Viegas, destacando o facto de todos os nadadores estarem “empenhados na competição”.

A treinar normalmente desde setembro passado, depois de uma paragem imposta pela pandemia de covid-19, os nadadores portugueses e a maioria dos estrangeiros que vão marcar presença no Funchal, participam pela primeira vez numa grande competição internacional desde março de 2020.

“Os nadadores portugueses têm treinado regularmente desde setembro, mas têm falta de competição, apesar de terem participado em algumas provas nacionais de natação regular”, explica o DTN,

A ausência de público no Complexo de Piscinas Olímpicas do Funchal poderá, segundo Daniel Viegas, ter efeitos diferentes na prestação de cada um dos nadadores.

“Temos nadadores que se agigantam com a presença de público, e outros que cedem à pressão de perceberem que as bancadas estão cheias. Por isso, o facto de a competição ser à porta fechada, terá impactos diferentes em cada um”, explica.

No Funchal, onde deverão marcar presença 380 atletas, de 47 países, Portugal estará representando por Susana Veiga, vice-campeã mundial e europeia, David Garchat, que conquistou duas medalhas nos europeus de 2016, Daniel Videira, Diogo Cancela, Gino Caetano, Ivo Rocha, Marco Meneses e Renata Pinto.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.