Christina Tham começou a nadar com sete anos e aos 12 ganhou uma medalha de prata nos Jogos do Sudeste Asiático, estávamos em 1981, e a atleta precisou de 38 anos para voltar à mesma competição e melhorar a performance.

Atualmente com 50 anos, Christina Tham voltou aos Jogos do Sudeste Asiático para apanhar 'a medalha que escapou' há 38 anos e conseguiu. Esta semana, a nadadora venceu a medalha de ouro em hóquei subaquático.

"Nunca pensei que seria capaz de voltar aos Jogos do Sudeste Asiático e, ainda para mais, para ganhar medalhas de ouro e atingir os meus objetivos. Nunca pensei que voltaria a competir ao mais alto nível", admitiu a atleta, citada pela BBC.

Os primeiros Jogos

A atleta contou ainda como começou a aventura na natação, há mais de 40 anos. Quando tinha sete anos, Christina Tham fez uma viagem com a família à Malásia. Lá, decidiram fazer um passeio de canoa. O pai de Tham não queria usar colete, mas acabou por assentir por insistência da mulher, sem saber que aquele colete lhe salvaria a vida.

"Lembro-me que estava noutra canoa do outro lado do lago quando ouvi um grito muito alto. Quando olhei, vi o meu pai a flutuar na água, seguro apenas pelo colete salva-vidas. Ele caiu à água e o colete salvou-lhe a vida."

Depois desse episódio, o pai de Tham decidiu inscrever toda a família na natação.

Cinco anos depois, Christina Tham estava a representar Singapura nos Jogos, onde viria a conquistar a medalha de prata nos 4x100m 'medley relay'.

"Eu era muito jovem na altura e não apreciei realmente o significado da minha conquista. Venho de uma família chinesa típica de Singapura, onde é esperado que aceitemos as conquistas com modéstia", revelou a atleta.

"Foi somente depois de me tornar adulta que percebi a enormidade de minhas realizações - eu tinha 12 anos e ganhei uma medalha nos Jogos do Sudeste Asiático", admitiu Tham.

Uma (longa) paragem

Dois anos depois da primeira conquista, Christina Tham ainda regressou aos Jogos do Sudeste Asiático e voltou a conquistar uma medalha de prata, desta vez nos 200m bruços. Mas, pouco depois, a aventura desportiva fez uma pausa que viria a durar mais de 30 anos.

A nadadora acabou por seguir uma carreira no setor jurídico e por se tornar chefe do departamento jurídico de uma empresa imobiliária.

Focada na carreira, Tham deixou para trás o desporto, até ao ano de 2005. "Vi um artigo no jornal sobre o hóquei subaquático. Parecia tão interessante e intrigante que decidi experimentar. Na altura, pensei que praticar um desporto de equipa realmente me ajudaria como pessoa. Descobri que perdi imenso por praticar apenas desportos individuais a vida toda."

Este ano, o hóquei subaquático foi incluído nos Jogos do Sudeste Asiático e Tham voltou ao local onde tudo começou para adicionar uma medalha ao currículo. A atleta marcou dois golos na prova e ajudou a equipa de Singapura a vencer duas medalhas de ouro.

Mas, Tham não pretende ficar por aqui. A nadadora tem intenções de regressar aos Jogos do Sudeste Asiático em 2021 para alargar as suas conquistas.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.