A World Rugby (WR) anunciou, na quinta-feira, a retirada de 10 pontos aos ‘leones’ na qualificação para o Mundial, por utilização irregular de um jogador em dois encontros, decisão que atira a Espanha para fora da competição e permite a Portugal subir ao terceiro lugar e apurar-se para o torneio final de repescagem.

“Decidimos que, como queremos ir ao Mundial, vamos lutar dentro e fora dos gabinetes pelo apuramento que ganhámos em campo e perdemos de forma administrativa”, anunciou o ‘capitão’ Fernando López, após uma reunião com o presidente da Federação Espanhola de Râguebi (FER), Alfonso Feijoo, e representantes da junta diretiva.

Emocionado, López não conseguiu terminar a leitura do comunicado e cedeu as funções a Marco Pinto, a quem coube explicar que “a FER afirmou que é responsável mas não culpada” e que, por isso, contará com o apoio dos jogadores no único "caminho que resta" para estar no França2023: o recurso da decisão da WR.

“Ainda que haja questões que nos separem da FER, vamos trabalhar em conjunto. As pessoas culpadas assumirão a sua responsabilidade. Precisamos da vossa ajuda. Espanha tem de estar no Campeonato do Mundo de 2023”, leu o talonador espanhol.

Junto a López e Pinto, compareceram também os jogadores Lucas Guillaume e Víctor Sánchez, assim como o selecionador Santiago Santos, que preferiu não se pronunciar.

Os jogadores lamentaram, ainda, que após a decisão da WR de excluir a Espanha do Mundial “ninguém tenha vindo pedir desculpa”.

“Estamos preparados para perder um jogo em campo, mas não para estas coisas. Estes dois anos foram muito duros, porque começámos mal, quase nos escapava o sonho. Começámos a recuperar e perdemos um companheiro [Kawa Leauma, morto num acidente nos Países Baixos, em dezembro, após o jogo entre os dois países], superámos isso e depois acontece isto”, desabafaram os jogadores.

Em 28 de março, 15 dias após a vitória sobre Portugal (33-28) que qualificou a Espanha diretamente para o França2023, a WR nomeou uma comissão independente para examinar o potencial incumprimento da lei de elegibilidade de jogadores por parte dos espanhóis.

Em causa estava a utilização de Gavin van der Berg, pilar de naturalidade sul-africana utilizado pelos 'leones' nos dois encontros frente aos Países Baixos, que a Espanha venceu por 43-0 e 52-7, somando cinco pontos em cada encontro, por via do bónus ofensivo.

Na quinta-feira, a WR confirmou a presença de Portugal no torneio de repescagem para o Mundial de França 2023, após a sanção de 10 pontos aplicada a Espanha.

Esta é a segunda vez consecutiva que a Espanha fica de fora do Mundial devido à utilização irregular de jogadores.

Em 2018, a World Rugby sancionou a Espanha, a Roménia e a Bélgica pela utilização de jogadores não elegíveis, decisão que resultou no apuramento direto da Rússia para o Mundial de 2019, após terminar a qualificação em quarto lugar.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.