O tenista sérvio Novak Djokovic venceu hoje o Masters 1.000 de Cincinnati, após derrotar na final o canadiano Milos Raonic, igualando o recorde de 35 triunfos em Masters 1.000 de Rafael Nadal.

Para conquistar o quarto torneio em 2020, o líder do ranking mundial impôs o seu favoritismo pelos parciais de 1-6, 6-3 e 6-4, em duas horas de jogo frente ao 30.º da classificação ATP.

Djokovic continua assim invicto nos 23 jogos disputados este ano, desempenho que o ajudou a chegar ao 35.º êxito em Masters 1.000, igualando o recorde de Rafael Nadal, o segundo do ‘ranking’ mundial, que preferiu não estar no torneio devido à covid-19, abstendo-se igualmente de jogar o Open dos Estados Unidos que principia na próxima semana.

Apesar de recolher quase todas as apostas, Djokovic começou mal e perdeu o primeiro ‘set’ por 1-6, em somente 30 minutos, quando permitiu duas quebras de serviço.

Contudo, melhorar o serviço e fazer valer a sua competitividade e força mental ajudaram-no a dar a volta, impondo-se por naturais 6-3 e 6-4 ao canadiano, que não marcava presença numa final de um Masters 1.000 há mais de quatro anos.

Esta foi a segunda vez que o sérvio conquistou o torneio, depois de o ter feito em 2018, quando bateu o suíço Roger Federer.

Para chegar à final, Djokovic bateu o lituano Ricardas Berankis, o norte-americano Tennys Sandgren, o alemão Jan-Lennard Struff e o espanhol Roberto Bautista Agut.

Por sua vez, Raonic superou o norte-americano Sam Querrey, o inglés Daniel Evans, o británico Andy Murray, o sérvio Filipe Krajinovic e o grego Stefanos Tsitsipas.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.