O sempre polémico tenista australiano Nick Kyrgios protagonizou mais um incidente nos courts, desta feira na primeira ronda de Wimbledon. Já com um considerável histórico de episódios controversos, desta feita Kyrgios admitiu ter cuspido na direção de um espectador por se sentir desrespeitado pelo mesmo.

No final da partida, na qual Kyrgios bateu o britânico Paul Jubb em cinco sets, ao ser questionado sobre se teria cuspido propositadamente na direção dos espectadores, o australiano afirmou: "Houve muita falta de respeito por parte do público. Não podemos normalizá-lo, porque isto não é normal. Eu não fiz absolutamente nada de mal até terem um comportamento errado para comigo. Sim, cuspi na direção de um espectador que especificamente me faltou ao respeito. Jamais o faria na direção de alguém que me estivesse a apoiar".

O tenista de 27 anos prosseguiu: "Houve alguém que gritou que eu era uma merda. Não é normal e não entendo que isto possa estar sempre a acontecer. Não tem nada a ver com Wimbledon. Há uma geração de pessoas que, tal como nas redes socais, acha que tem o direito de responder o tempo todo com esta negatividade. E eu não posso dizer nem fazer nada, para não me meter em problemas. Não sei por que é que isto acontece tantas vezes aos desportistas. Não vou a um supermercado faltar ao respeito a quem está lá a trabalhar".

Apesar da confusão, Kyrgios, atual número 41 do ranking mundial, acabou por vencer Jubb (número 219) com parciais de 3/6, 6/1, 7/5, 6/7 (3/7) e 7/5, seguindo em frente na prova para defrontar o sérvio Filip Krajinović na segunda ronda. Aonda no encontro com Jubb, Kyrgios discutiu várias vezes com o árbitro e mostrou-se várias vezes incomodado com os gritos de apoio ao adversário. Não se deverá, agora, livrar de uma pesada multa.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.