O tenista sérvio Novak Djokovic alcançou hoje, pela oitava vez na carreira, o título do Open da Austrália, ao bater o austríaco Dominic Thiem na final em Melbourne Park, e recuperou a liderança do 'ranking' ATP.

Num encontro equilibrado e muito disputado na Road Laver Arena, o número dois mundial superou o austríaco, de 26 anos, em cinco 'sets', pelos parciais de 6-4, 4-6, 2-6, 6-3 e 6-4, em três horas e 59 minutos.

Depois de entrar em 'court' menos seguro e assertivo do que Novak Djokovic, que alcançou facilmente uma vantagem de 3-0, Dominic Thiem conseguiu recuperar e devolver o 'break', mas, quando servia para alcançar a igualdade, cometeu uma dupla falta e entregou o primeiro 'set'.

Na segunda partida, o número cinco mundial, que tinha eliminado o espanhol Rafael Nadal nos quartos de final e o alemão Alexander Zverev nas meias-finais, quebrou o serviço do adversário no terceiro jogo (2-1), mas não foi capaz de evitar o contra 'break' no oitavo (4-4).

Ainda assim, não recuou e, após Djokovic perder o primeiro serviço com duas advertências por abuso de tempo, passou para a frente do marcador, antes de fechar com 6-4.

Uma vez restabelecida a igualdade no embate (1-1), austríaco fez dois 'breaks' de entrada e chegou facilmente a uma liderança confortável (4-0), que lhe permitiu conquistar o terceiro 'set' por 6-2, já depois de o adversário ter solicitado a comparência de uma equipa médica em 'court'.

Ainda antes da discussão da quarta partida, o campeão em título abandonou a Road Laver Arena para ser assistido, mas, quando retomou a final, elevou o nível do seu jogo e conseguiu a quebra de serviço no oitavo jogo (5-3). Depois de fechar por 6-3, Djokovic empurrou a decisão do título para o quinto e derradeiro 'et'.

Na hora de todas as decisões, Dominic Thiem cometeu mais erros diretos (16 contra os 12 do adversário) e o sérvio fez o 'reak' para ganhar vantagem (2-1) e nunca mais perder o ascendente, até festejar a conquista do seu 17.º 'ajor' e aproximar-se dos 19 títulos do 'Grand Slam' de Rafael Nadal e dos 20 do suíço Roger Federer.

Com base nas estatísticas globais, Novak Djokovic registou nove 'ases', converteu cinco 'breaks' em 12 oportunidades e assinou 46 'winners', contra os 57 erros não forçados, ao passo que Dominic Thiem somou 13 'ases', concretizou cinco quebras de serviço em 12 oportunidades e protagonizou 55 pontos ganhantes, face aos 57 erros diretos.

"Gostava de dar os parabéns ao Thiem. Não era para ser hoje. Foi muita sorte e um encontro muito difícil, mas estiveste muito perto de vencer. Estou certo de que terás muito mais tempo na tua carreira e tenho a certeza de que vais ganhar mais do que um troféu do 'Grand Slam'", afirmou Djokovic, que triunfou pela primeira vez em Melbourne Park há 12 anos.

O sérvio dedicou a oitava vitória no Open da Austrália ao "amigo" Kobe Bryant. "Como sabem, temos assistido a acontecimentos devastadores desde o início de 2020. Os grandes incêndios aqui na Austrália. Conflitos em algumas partes do mundo. Pessoas que morrem todos os dias. Obviamente há uma pessoa que considero mais próxima, que foi meu mentor, Kobe Bryant, que morreu com a sua filha. Isto é um alerta para todos. Devemos estar mais unidos do que nunca, devemos estar com as nossas famílias e estar próximos daqueles que te amam", vincou.

Após conseguir, pela primeira vez, dar a volta a uma final do 'Grand Slam' em que esteve a perder por dois 'sets' a um, Novak Djokovic vai recuperar a liderança do 'ranking' mundial, que estava na posse de Nadal, enquanto Dominic Thiem vai ascender ao quarto lugar.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.