O tenista Roger Federer foi hoje do inferno ao céu ao salvar três ‘match-points’ para se apurar para a sua 11.ª meia-final em Wimbledon e fixar um novo recorde de encontros vencidos em torneios do ‘Grand Slam’.

A perder por dois ‘sets’ a zero, o sete vezes campeão e finalista vencido nas últimas duas edições deixou o público do All England Club, de quem é o claro favorito, em suspenso, conquistando o terceiro parcial e salvando três pontos que dariam a vitória a Marin Cilic no quarto, para finalmente se impor por 6-7 (4-7), 4-6, 6-3, 7-6 (11-9) e 6-3.

O triunfo de hoje sobre o difícil croata permitiu ao número três mundial avançar, pela 11.ª vez na sua carreira, para uma meia-final no terceiro ‘major’ da época, alcançar a 84.ª vitória na relva londrina e a 307.ª em ‘Grand Slams’, um número que o deixa isolado como o mais vitorioso de sempre na Era Open (estava empatado com a norte-americana Martina Navratilova).

Perto de completar os 35 anos, o recordista de títulos do Grand Slam (17) mostrou que ainda tem o ténis (e as pernas) para contrariar a nova geração, ‘vingando-se’ do 13.º jogador mundial pela dura derrota que lhe impôs nas meias-finais do Open dos Estados Unidos de 2014.

“Marin é um jogador maravilhoso. Colocou-me em sérias dificuldades no terceiro e quatro ‘sets’. Ele lê bem o meu serviço, nem eu me lembrava de o ler assim tão bem”, admitiu o suíço, que na próxima ronda vai defrontar o canadiano Milos Raonic, numa reedição da meia-final de 2014.

O sétimo jogador mundial foi o primeiro a garantir um lugar nas ‘meias’, ao derrotar o norte-americano Sam Querrey, 41.º do ‘ranking’ e ‘carrasco’ de Novak Djokovic, por 6-4, 7-5, 5-7 e 6-4).

Raonic é o último obstáculo de Federer rumo à final de sonho do público, que espera que o jogador da casa, o número dois mundial Andy Murray, derrote o checo Tomas Berdych na sua meia-final.

Hoje, o tenista britânico complicou o fácil, precisando de cinco ‘sets’ para eliminar o francês Jo-Wilfried Tsonga, com os parciais de 7-6 (12-10), 6-1, 3-6, 6-4 e 6-1.

Ao derrotar o 12.º cabeça de série, o campeão de 2013 garantiu a sétima presença em meias-finais em oito edições no ‘Grand Slam’ caseiro – no ano passado, perdeu com Federer nessa fase - e a sua 100.ª vitória em relva.

No outro encontro dos quartos de final, Berdych esmagou o francês Lucas Pouille, estreante nesta fase, com os parciais de 7-6 (7-4), 6-3 e 6-2, para ficar a um triunfo da sua segunda final do ‘Grand Slam’, seis anos depois de perder o título para Rafael Nadal.

“No papel, parece que foi fácil, mas tive de trabalhar muito para ganhar”, disse.

O nono tenista mundial é apenas o terceiro checo a alcançar mais do que uma meia-final na relva londrina, depois de Ivan Lendl e Jan Kodes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.