Após 21 de 22 corridas do Mundial, os dois pilotos chegam a esta derradeira ronda do campeonato empatados, com 369,5 pontos, mas com a vantagem no desempate a pender para Verstappen, de 24 anos, pois soma mais uma vitória (nove triunfos contra oito) do que Hamilton, de 36.

Lewis Hamilton procura destacar-se na hierarquia de pilotos com mais títulos de sempre – soma os mesmos sete do alemão Michael Schumacher –, depois de ter sido campeão em 2008, 2014, 2015, 2017, 2018, 2019 e 2020, enquanto Max Verstappen se pode tornar o 34.º piloto diferente a sagrar-se campeão na história da Fórmula 1.

Será campeão quem ficar à frente na corrida até ao oitavo lugar, mas, se nenhum dos dois pontuar (terminando abaixo do 10.º lugar ou não concluindo a corrida), o campeão será o holandês, por ter mais vitórias.

Existe ainda a possibilidade de os dois terminarem empatados em pontos se um for nono classificado (soma dois pontos) e outro 10.º e fizer ainda a volta mais rápida (1+1 pontos). Nesse cenário, seria mais uma vez o holandês a festejar o título.

Com 21 provas já disputadas, Verstappen soma nove triunfos, o último dos quais no México, em 07 de novembro (os outros foram na Emilia Romagna, Mónaco, França, Estíria e Áustria, Bélgica, Países Baixos e Estados Unidos).

Já Hamilton conta oito vitórias, três delas nas três rondas anteriores, no Brasil, no Qatar e na Arábia Saudita, depois de ter vencido no Bahrain, em Portugal, em Espanha, na Grã-Bretanha e na Rússia.

Nos últimos cinco anos, Lewis Hamilton venceu em Abu Dhabi por três vezes (2016, 2018 e 2019), enquanto Verstappen ganhou apenas uma, na época passada, em que também conquistou a ‘pole position’.

Ao finlandês Valtteri Bottas, terceiro do campeonato com 218 pontos, coube a outra vitória, em 2017.

O britânico começou o campeonato com uma vitória e a liderança, que perdeu no Mónaco, após ter sido sétimo numa prova vencida pelo piloto dos Países Baixos.

Verstappen já conta com três desistências (Azerbaijão, Grã-Bretanha e Itália), enquanto Hamilton não pontuou em duas provas, Azerbaijão (foi 15.º) e Itália (desistiu após toque com Verstappen).

Depois de um início mais forte, com três vitórias nas quatro primeiras corridas, Hamilton e a Mercedes deixaram-se ultrapassar pela Red Bull e por Verstappen.

Num dos campeonatos mais disputados dos últimos anos, já houve troca de líderes por cinco vezes.

Hamilton foi o primeiro comandante, após vencer na abertura da temporada, no Bahrein, mas cederia a liderança ao seu adversário da Red Bull no Mónaco, em 23 de maio.

O piloto da Mercedes voltou ao primeiro lugar em 01 de agosto, para o ceder duas corridas depois, nos Países Baixos, graças à vitória caseira de Verstappen.

Hamilton voltaria ao primeiro lugar quando assinou a 100.ª vitória da carreira (inédita na competição), na Rússia, antes de ver o piloto da Red Bull assaltar novamente a liderança na Turquia.

Em jogo está, ainda, o título de construtores, que pode ser o oitavo consecutivo da Mercedes, atual líder do campeonato, com 28 pontos de vantagem sobre a Red Bull (587,5 contra 559,5), que não vence desde 2013, ano do último título do alemão Sebastian Vettel.

Esta será também a última corrida do finlandês Kimi Raikkonen (Alfa Romeo), campeão mundial em 2007, com a Ferrari.

Também será a despedida de Valtteri Bottas da Mercedes, após cinco temporadas, antes de ser substituído pelo britânico George Russell (Williams) na próxima temporada.

O Grande Prémio de Abu Dhabi vai ser disputado no circuito de Yas Marina, entre hoje e domingo, com a corrida a ter início às 15:00 locais (13:00 em Lisboa).

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.