O piloto português Miguel Oliveira, que se transferiu para a equipa RNF Aprilia, revelou o desejo de ainda poder ser campeão do mundo de motociclismo de velocidade, em entrevista à Antena 1, replicada hoje pelo MotoGP.

"A KTM deu-me muito conforto para a minha carreira desportiva. Eu tinha os próximos quatro anos da minha vida garantidos, mas, no fundo, eu sabia que não era isso que queria. Eu queria experimentar novas oportunidades e ser mesmo campeão do mundo, o que acredito acontecerá brevemente", disse o piloto luso.

A transferência de Miguel Oliveira para a RNF Aprilia foi uma das surpresas da temporada passada, tendo a KTM ainda tentado segurar o piloto que mais vitórias obteve para a equipa na categoria rainha do motociclismo de velocidade, quatro.

"Não poderei dizer que a KTM portou-se mal comigo. Simplesmente tínhamos maneiras diferentes de pensar. A reestruturação da equipa passou por ter outro piloto além de mim. Essas diferenças criaram distâncias entre nós. Não que a porta não estivesse aberta, porque eles queriam mesmo que eu ficasse e corresse pela GASGAS, que é basicamente a KTM pintada de vermelho", sublinhou Oliveira.

O corredor luso disse que, na ocasião, "a ideia era trazer de volta a marca GASGAS e ter um par de corredores ibéricos".

"Eles queriam um corredor espanhol e um português, mas eu não gostava muito da ideia. Eu acreditava honestamente que há alturas na nossa vida em que precisamos de mudar. Há comboios que só passam uma vez e tens de aproveitar essas oportunidades. Eu ansiava por essa mudança e sair da minha zona de conforto", completou.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.