Os três pontos conquistados em Guimarães foram mais um passo importante para os leões continuarem a manter o objectivo da época. Esta feliz vitória coloca o Sporting em segundo lugar, a um ponto dos campeões.

Passado já um terço do campeonato esta paridade pontual é de realçar, primeiro porque o orçamento comparado com os outros dois grandes são peanuts e, como se sabe, a equipa baseia-se na formação da Academia e encontra-se ainda na fase de construção.

Porém, a menor exibição frente ao Guimarães contrastou com a regularidade positiva das anteriores. O jogo com o Rio-Ave e este com o Guimarães são exceção ao bom futebol praticado. Ontem, a equipa atuou desligada, com os setores distantes uns dos outros, lesando a evolução coletiva por falta de apoio entre os jogadores, optando por um jogo direto, mas quando Adrien não aparece, o meio campo do Sporting não funciona.

A maior vítima deste futebol descontínuo tem sido Montero pois a bola não lhe chega em condições. Faz tempo que o colombiano não marca. Ontem, não fez praticamente um remate à baliza, o que não abona em favor de um goleador. Os alas, na maioria das vezes, por falta de apoio face ao afastamento dos médios, ficam entregues a si próprios, excetuando as combinações com os laterais. Cedric esteve impecável e Jeferson não pode só fazer a desmarcação circular.

Aliás, o quinteto defensivo cumpriu muito bem a sua missão com Rui Patrício a demonstrar que é o melhor, Eric e Maurício estiveram impecáveis e também os já referidos laterais. Porém, a falta de pressão e de acompanhamento na zona intermédia aos opositores da cidade berço, disponibilizou aos médios Andrés e restantes companheiros tempo para dominar a bola e rematarem com facilidade. Um dos remates embateu na barra.

O jogo foi equilibrado e se no futebol existisse lógica o empate aceitava-se, mas quem marca ganha e para muitos o que interessa é vencer. Mas ontem os leões ganharam, foram felizes e Alá esteve mais uma vez com Slimani.

Leonardo Jardim está a conduzir e bem o Sporting, para o programado objetivo e vai consegui-lo. Mas neste momento em que está praticamente lado a lado com os dois candidatos, deve tentar extrair ao máximo o potencial que tem entre mãos, para não perde-los de vista ou quiçá ultrapassá-los. Por isso deve analisar se esta fraca exibição é reflexo do seu modelo tático e se este é o mais rentável face às características dos seus jogadores.

Ontem viu-se que não é. O meio campo do Sporting tem demonstrado que é pouco agressivo, não pressiona, defende mal e não é suficientemente criativo. Os dois titulares indiscutíveis são Willian e Adrien. Os restantes Victor e Gerson Magão, não demonstraram estar à altura de serem titulares e André Martins este ano ainda não se encontrou.

Se o Sporting tem vários e bons extremos, com capacidade para municiar dois pontas de lança e para se revezarem, dado que este modelo exige uma diferente dupla missão defesa-ataque, se Slimani domina o jogo aéreo, se Montero precisa de mais apoio para explanar o seu futebol rápido, imprevisível e letal, talvez o 4X4X2, seja o modelo mais indicado!

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.