No Brasil, a primavera há muitos anos já tem ares e calores de verão. Após um dia em que os cariocas definem como perfeito, um domingo de muito sol e calor, o que remete às inúmeras praias da cidade, a noite abafada terminaria de forma perfeita para boa parte dos habitantes do Rio de Janeiro, com um Maracanã abarrotado a conferir mais uma vitória do Flamengo. Frente aos alagoanos do CSA, pela 28ª jornada do Brasileirão, mais um recorde para uma equipa que tem superado marcas, desta feita foi o público pagante, que totalizou 65.649 adeptos, sendo o maior do ano no futebol brasileiro. A estes, somam-se alguns milhares de gratuidades e convidados, a beirar uns 70 mil os que viram in loco um Flamengo a desperdiçar inúmeras chances e também a sofrer ataques perigosos, para desespero de um agitado Jorge Jesus.

Este Flamengo versão JJ tem impressionado pelo estilo ‘rolo compressor’ dada a intensidade com que inicia as partidas e a pulsante marcação ao adversário, a sufocar todos os espaços e a atacar a todo momento. Contra um adversário de modestas pretensões no campeonato, o CSA é o antepenúltimo colocado, isto numa liga em que os últimos quatro são despromovidos, esperava-se uma exibição de gala da equipa que na passada quarta-feira esmagou o Grêmio por 5-0 nas meias de final da Taça Libertadores. O que se viu no início era o padrão ‘Flamengo de Jesus’, com várias ocasiões de ataque, até que ao minuto 9’, o médio uruguaio Giorgian De Arrascaeta tabelou com Everton Ribeiro, e num remate colocado, sem oposição da defesa adversária, abriu o marcador, para festa de um Maracanã lotado de felizes rubro-negros.

A partir daí o que o Flamengo fez foi atacar com sua artilharia mais do que pesada. Era um festival de chances de golo desperdiçados, ora por Bruno Henrique, depois com Everton Ribeiro, e também Gabriel, mas a bola parecia teimar em não entrar. O CSA respondeu com um veloz contra-ataque de Apodi, mas o remate o médio foi interceptado por Diego Alves. Pouco depois, foi Dawhan, a driblar em velocidade o central Matheus Thuler e a rematar com força, com a bola a estremecer o poste da baliza rubro-negra. Bastaram estas duas jogadas ofensivas do CSA para que Jorge Jesus explodisse em ira com sua defesa.

Na segunda parte, mais do mesmo, com Gabriel e Arrascaeta a perderem diversas oportunidades, e do lado oposto, o ativo médio Apodi a ver um golo já certo negado pelo lateral Rafinha. Na derradeira ocasião do movimentado jogo, Warley acertou um belo remate da entrada da área para igualmente bela defesa do guardião do Flamengo. Foi a vitória de número 21 para a equipa carioca em 28 jornadas, sendo a sexta consecutiva, e para ficarmos com outra estatística impressionante dos comandados de Jorge Jesus, são 15 jogos de invencibilidade num equilibrado campeonato, com 14 vitórias e apenas um empate. E com o golo solitário do uruguaio Arrascaeta frente ao CSA, o Flamengo passa a ter os três melhores marcadores do Brasileirão’2019, com Gabriel a liderar com 19 gols, seguidos por Bruno Henrique com 12 e Arrascaeta com 11. 

O vice-líder Palmeiras viajou à Florianópolis para enfrentar o Avaí, lanterna vermelha e que não deve escapar à segunda divisão. Com desfalques importantes, como o defesa-central paraguaio Gustavo Gómez, suspenso, e o avançado Willian, poupado pelo contestado treinador Mano Menezes, o Palmeiras, há tempos sem realizar uma exibição de encher os olhos, sofreu para ganhar aos catarinenses. Numa primeira parte muito pobre e sem grandes ocasiões, valeu um pontapé em voleio de Bruno Henrique, mas a bola passou por cima da barra do guarda-redes Vladimir. 

Já na etapa final, os paulistas adiantaram-se no marcador com Deyverson, de cabeça, a responder o canto de Lucas Lima. Logo depois, Dudu, num belo remate, acertou a barra dos catarinenses. Aí, a chuva que caia sem grandes problemas em Florianópolis tornou-se um temporal, e o jogo, que poderia ser encerrado devido à falta de condições do relvado, transformou-se em uma batalha campal. Vinícius Araújo chocou-se com o guarda-redes palmeirense e o árbitro, com auxílio do VAR, marcou penálti, que João Paulo converteu. Com a igualdade, o Palmeiras viria a diferença para o Flamengo chegar a 12 pontos, mas o encharcado relvado ainda iria produzir outro penálti, já perto do fim, numa disputa entre o avançado Deyverson e o central Ricardo, com o árbitro novamente a consultar o VAR e a confirmar o castigo máximo, que Gustavo Scarpa marcou, fixando o placar em 1-2 favorável aos alviverdes. Uma vitória ao cair do pano e que mantém as esperanças do Palmeiras em alcançar o Flamengo, ainda que com mais dez jornadas para o fim do Brasileirão, a diferença entre ambos esteja em dez pontos.

Já no meio da semana, nova jornada do mais insano campeonato do planeta, com o líder Flamengo a viajar módicos 1.300 quilómetros até Goiânia para enfrentar o Goiás, enquanto o Palmeiras joga um clássico dos mais disputados do país contra o São Paulo. Começou a contagem regressiva para o fim do Brasileirão’2019, e da forma com tudo se encaminha, apenas um milagre tira o título de Jesus e do Flamengo.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.