Depois de, sexta-feira, a UEFA ter decretado um conjunto de sanções financeiras contra nove dos 12 clubes de futebol que estiveram na génese da Superliga, após um acordo com os punidos que pediram “desculpas pelo erro”, deixando de fora Barcelona, Juventus e Real Madrid, o clube merengue reagiu, na manhã deste sábado, em comunicado.

Os madrilenos apontam o dedo ao organismo máximo do futebol europeu, acusando-o de fazer "ameaças e ofensas inaceitáveis" aos clubes fundadores da Superliga Europeia.

O emblema italiano e os dois espanhóis consideram as pressões “intoleráveis à luz do Estado de direito” e lembram que “os tribunais já decidiram a favor da proposta da Superliga, ordenando à FIFA e à UEFA que (...) se abstenham de tomar qualquer tipo de medidas que obstruam o desenvolvimento da iniciativa”.

Leia o comunicado conjunto de Real Madrid, Barcelona e Juventus

Sobre o comunicado divulgado pela UEFA no dia 7 de maio a respeito da Superliga e da posição assumida por 9 dos seus clubes fundadores, o Fútbol Club Barcelona, ​​a Juventus e o Real Madrid Club de Fútbol afirmam o seguinte:

I- Os clubes fundadores sofreram e continuam a sofrer pressões, ameaças e ofensas inaceitáveis por parte de terceiros ​​para abandonarem o projeto e, por isso, renunciam ao seu direito e dever de dar soluções ao ecossistema do futebol por meio de propostas concretas e de um diálogo construtivo. Isto é intolerável ao abrigo do Estado de direito e os tribunais já se pronunciaram a favor da proposta da Superliga, ordenando que a FIFA e a UEFA, directamente ou através dos seus órgãos afiliados, se abstenham de tomar qualquer medida que possa impedir esta iniciativa de qualquer forma enquanto estiver em tribunal os processos estão pendentes.

II- O projeto da Superliga foi idealizado em conjunto pelos seus 12 clubes fundadores:

a. com o objetivo de fornecer soluções para a atual situação insustentável da indústria do futebol. Os 12 clubes fundadores partilhavam das mesmas preocupações -como outras partes interessadas no futebol europeu-, especialmente no contexto socioeconómico atual, de que as reformas estruturais são indispensáveis ​​para garantir que o nosso desporto se mantém apelativo e sobrevive a longo prazo. Nesse sentido, no dia 18 de abril, anunciaram a vontade de criar a Superliga e estabelecer um canal de comunicação com a UEFA e a FIFA, num espírito construtivo de colaboração entre as partes, conforme foi comunicado a cada uma delas nessa data ;

b. com o maior respeito pelas atuais estruturas e ecossistemas do futebol. Os clubes fundadores concordaram expressamente que a Superliga só teria lugar se tal competição fosse reconhecida pela UEFA e / ou FIFA ou se, de acordo com as leis e regulamentos aplicáveis, fosse considerada uma competição devidamente compatível para todos os efeitos com o continuidade dos clubes fundadores nas respectivas competições nacionais. No entanto, apesar de estarem cientes dos termos acima, a UEFA e a FIFA recusaram-se até agora a estabelecer qualquer canal de comunicação adequado; e

c. trazer estabilidade financeira a toda a família do futebol europeu, atualmente sob os efeitos de uma crise profunda que ameaça a sobrevivência de muitos clubes. A testamento disso, o anunciado compromisso de estabelecer pagamentos anuais de solidariedade para montantes anuais garantidos que multipliquem materialmente os distribuídos pela UEFA, e a obrigação de reforçar as regras de sustentabilidade financeira, através da criação de um sistema de controlo claro, transparente e eficaz verificado por especialistas.

III- Os 12 clubes fundadores também reconheceram que a Superliga foi uma oportunidade única para oferecer aos fãs de todo o mundo o melhor espetáculo possível e para reforçar o interesse global pelo desporto, que não é um dado “dado” e é desafiado pelas novas tendências geracionais. Além disso, um de seus principais objetivos era promover o futebol feminino em nível global, uma oportunidade tremenda, mas atualmente subestimada, para o setor.

IV- Temos plena consciência da diversidade de reações à iniciativa da Superliga e, consequentemente, da necessidade de refletir sobre as motivações de algumas delas. Estamos prontos para reconsiderar a abordagem proposta, conforme necessário. No entanto, seríamos irresponsáveis ​​se, cientes das necessidades e da crise sistémica do sector do futebol que nos levou a anunciar a Superliga, abandonássemos tal missão de dar respostas eficazes e sustentáveis ​​às questões existenciais que ameaçam a indústria do futebol .

V- Lamentamos ver que os nossos amigos e parceiros fundadores do projecto Super League se encontram agora numa posição tão inconsistente e contraditória quando assinaram ontem uma série de compromissos com a UEFA. No entanto, dado que as questões materiais que levaram os 12 clubes fundadores a anunciarem a Superliga semanas atrás não foram embora, reiteramos que, para honrar a nossa história, cumprir com as nossas obrigações para com os nossos stakeholders e adeptos, pelo bem do futebol e para a sustentabilidade financeira do sector, temos o dever de agir de forma responsável e perseverar na procura de soluções adequadas, apesar das inaceitáveis ​​e contínuas pressões e ameaças recebidas da UEFA.

VI- Principalmente, reiteramos à FIFA, à UEFA e a todos os atores do futebol, como já fizemos várias vezes desde o anúncio da Superliga, o nosso compromisso e firme vontade de discutir, com respeito e sem pressões insuportáveis ​​e de acordo com a regra de direito, as soluções mais adequadas para a sustentabilidade de toda a família do futebol.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.