Que a pandemia de COVID-19 vai ter impactos nos próximos mercados de transferências ninguém parece ter dúvidas, principalmente tendo em conta as dificuldades financeiras que já se vão observando nos últimos meses depois da suspensão, e em alguns casos o cancelamento, de algumas das principais liga europeias.

Agora um estudo da consultora KPMG, publicado no passado dia 6 de maio, vem prever ao certo qual será a queda no valor de mercado de algumas das principais estrelas do futebol europeu e mundial.

A idade é fulcral

A idade é um aspeto de grande importância na (des)valorização dos jogadores, sendo que os jogadores mais velhos serão os que vão sofrer um maior rombo na sua valorização. A consultora realça ainda o aumento do uso de jogadores das academias dos clubes bem como de jogadores livres, além de mencionar que a crise provocada pela pandemia obriga os clubes a um comportamento mais moral, com menos investimentos avultados.

A KPMG aponta ainda para um aumento das trocas de jogadores entre clubes e um aumento dos empréstimos.

Cancelamento vs Porta Fechada

De forma a analisar a diminuição no valor de mercado dos jogadores, a consultora usou dois cenários, o cancelamento da competição em todas as ligas em estudo e a retoma à porta fechada igualmente em todas. (De notar que em algumas ligas - França, Holanda - a decisão de não serem retomadas já foi tomada, mas para os efeitos do estudo foram consideradas que todas teriam tomado a mesma decisão, não tendo em conta o cenário em que algumas ligas terminavam enquanto outras retomavam).

Em caso de cancelamento, e olhando para os 20 mais valiosos em maio, as quebras variam entre os 11,4% (no caso de Marcus Rashford, Man.United) e os 29.8% (Eden Hazard, Real Madrid), com Kylian Mbappé a manter o titulo de jogador mais valioso, em qualquer dos cenários, sendo que no caso de cancelamento, que aconteceu na Ligue 1, o valor do francês cai 21,5%.

Em caso de retoma à porta fechada, a queda seria inferior e passaria a rondar entre os 4,7% (Trent Alexander-Arnold, Liverpool) e os 25,5, novamente de Hazard. Neste caso, a queda do valor de Mbappé seria de 16,6%.

Cancelamento é mais duro no Championship. Porta fechada atinge mais a Liga Turca

Olhando para o valor do total dos jogadores das Ligas em estudo, o Championship, a segunda divisão inglesa, é a competição mais afetada em caso de cancelamento.

De uma valorização de 1.531 milhões de euros em fevereiro, o cancelamento levaria a uma quebra de 31% no valor do conjunto dos planteis dos clubes da competição, que passariam a valer 1.056 milhões de euros.

A I Liga levaria um corte de 26,4%, o que se traduzia numa desvalorização de mais de 475 milhões de euros no valor dos planteis. 

Já se as ligas fossem todas retomadas à porta fechada, a mais afetada seria a Liga Turca, com uma quebra de 21,9%, menos 151 milhões de euros que a avaliação de fevereiro da consultora.

Neste cenário, que em principio será o que vai ocorrer na I Liga, a principal competição de clubes de Portugal sofreria um rombo de 17,3% no valor dos planteis, menos 133 milhões de euros que a avaliação de fevereiro. 

Bernardo Silva continua a ser o português mais valioso. CR7 a valer entre menos 11,5M e 14,5M

Olhando para os portugueses, Bernardo Silva continua a ser o português mais valioso (24.º) para a KPMG, mas o seu valor de mercado deverá sofrer quebras entre os 13,3 M € (passando a valer 76 milhões em caso de retoma à porta fechada) e os 17,5M € se a Premier League for cancelada (passa a valer 72 milhões).

Logo no 25.º lugar surge Cristiano Ronaldo que também não escapa aos efeitos financeiros da pandemia. O craque da Juventus deverá ter uma desvalorização entre os 11,5 e os 14,5 milhões de euros, dependendo da decisão da Serie A e do Governo Italiano sobre o futuro da competição.

João Félix, o terceiro melhor português (33.º), sofre quebras mas de menor magnitude face aos dois anteriores. O jovem 'colchonero' deverá ter uma desvalorização entre os 4,9 milhões - em caso de retoma - e os 8 milhões - em caso de cancelamento, com o ex-Benfica a passar a valer entre 67 e 70 milhões de euros.

Destaque ainda para Bruno Fernandes, o último português presente no Top 50 (48.º). O 'red devil' vê o seu valor sofrer uma quebra entre os 11,9 e os 19,3 milhões de euros, dependendo da decisão em relação à Premier League. O valor do português ex-Sporting está agora entre os 57 e os 65 milhões de euros.

Manchester City deverá manter o plantel mais valioso (com um duro golpe). Barcelona é o mais afetado pela COVID-19

Olhando para os principais clubes europeus, o Manchester City deverá manter o título de plantel mais valioso, mas a desvalorização pode chegar aos 282 milhões de euros (-22,6%) em caso de cancelamento, passando dos 1.243 milhões de euros para os 961 milhões. Se a 'Premier' retomar à porta fechada, a quebra é de 190 milhões (-15,3%).

Ainda assim os 'citizens' não são os mais afetados pela pandemia: o Barcelona pode sofrer uma quebra entre os 20,5% (porta fechada) e os 28,9% (cancelamento) - as maiores do estudo - explicadas pela média de idade elevada e pelo facto do contrato de Messi terminar em junho do próximo ano. Também o Nápoles sofre um grande rombo: uma quebra entre os 19,8 e os 28,7%, com a retoma à porta fechada ou o cancelamento da Serie A respetivamente.

*Artigo corrigido ás 10h59

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.