O presidente da câmara municipal de Braga disse hoje que a passagem às meias-finais da Liga Europa de futebol é «o maior feito alcançado pelo Sporting de Braga» na sua história e que confia na eliminação do Benfica.

«A campanha da equipa nas competições europeias este ano está a superar as minhas expectativas e ontem [quinta-feira], mais uma vez deu uma grande alegria aos bracarenses», começou por dizer o autarca.

Para Mesquita Machado, antigo presidente do clube e da mesa da Assembleia-Geral dos “arsenalistas”, a eliminação do Dínamo de Kiev e a qualificação para as meias-finais «é um feito notável, o maior feito alcançado pelo Braga».

«Agora vamos discutir a eliminatória e a nossa grande alegria era estar em Dublin, na final com o FC Porto, porque era bom que fossem dois clubes portugueses», disse.

Avizinham-se dois jogos com o Benfica, mas o autarca tem uma «grande esperança porque quem já eliminou um Liverpool, um Sevilha ou um Dínamo de Kiev, tem capacidade para eliminar qualquer equipa do futebol europeu e particularmente qualquer equipa portuguesa», defendeu.

No final do último Braga–Benfica, o presidente dos lisboetas, Luís Filipe Vieira, disse que não compreender porque é que a cidade minhota «hostilizava» o Benfica, mas Mesquita Machado rebate a ideia.

«Braga sempre soube receber bem, não bajula é ninguém, se calhar queriam que lhes estendessem uma passadeira vermelha sempre que viessem aqui. É uma cidade e uma região onde o principal clube e que tem a maioria dos adeptos é o Sporting de Braga», disse.

«Antigamente o Benfica tinha a mania que Braga era uma cidade de benfiquistas, mas esses tempos de um passado longínquo já não existem, porque a juventude bracarense é exclusivamente do Sporting de Braga por muito que isso possa fazer doer ao Benfica», afirmou.

Crítico de recentes arbitragens de jogos entre os dois clubes, que o levaram, em Janeiro de 2009, a demitir-se da presidência da mesa da Assembleia-Geral da Federação Portuguesa de Futebol, depois de um Benfica–Braga, o autarca diz-se «muito mais tranquilo» por serem árbitros internacionais a apitarem as meias-finais.

«Com certeza que sim, havendo dois clubes portugueses um árbitro internacional dá mais garantia de isenção, o que não significa que não haja bons árbitros nacionais, mas há sempre um lado afectivo, o que é normal, como eu gosto do Braga admito que os árbitros também tenham inclinação clubista», explicou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.