No próximo dia 14 de maio, passaram precisamente 15 anos sobre o momento. Era a final da Taça das Taças, Barcelona-Paris Saint Germain, em Roterdão. Ganharam os catalães, com um golo de penalti de Ronaldo, e o que se passou no final talvez não tenha ocorrido a ninguém que podia ser um momento histórico. Nem para os seus intervenientes.

Assim que terminou o encontro, e depois de abraçar De la Peña, Pep Guardiola, ainda jogador, correu em direção a José Mourinho, na altura adjunto de Bobby Robson. O super abraço é agora revisitado um pouco por todo o Mundo.

«É uma foto que recordo. Um super abraço», disse Mourinho numa entrevista dada recentemente.

Desde que chegou a Madrid, os abraços deram lugar à 'rivalidade'. Pouco mais se viu, neste dois anos e nos duelos entre Real Madrid e Barcelona, mais do que um cordial aperto de mão.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.