O guarda-redes Jackson Follman, um dos sobreviventes do acidente aéreo que provocou 71 mortos na segunda-feira, na Colômbia, não corre risco de uma segunda amputação, revelaram os médicos.

Follman, um dos seis sobreviventes, foi submetido a amputação de parte da perna direita, devido à gravidade das lesões, mas saiu bem de uma segunda cirurgia efetuada na quinta-feira, que não exigiu a amputação do membro esquerdo.

“As lesões evoluíram bem, de tal forma que não foi necessária a amputação”, indicou o médico Ferney Rodríguez, diretor clínico do Hospital San Vicente Fundación, em Medellín.

O futebolista continua na Unidade de cuidados intensivos, nas mesmas condições que o seu companheiro de equipa da Chapecoense Alan Ruschel, que segundo a diretora da clínica Somer de Rionegro, Ana María González, está “em situação favorável”.

“Foram limpas as suas feridas, muito contaminadas pelo tipo de acidente. Está a recuperar bem da sua cirurgia à coluna, tem mobilidade conservada e começámos a diminuir um pouco a sua sedação”, disse a responsável.

Os bolivianos Ximena Suárez e Erwin Tumirik, membros da tripulação do avião acidentado estão conscientes, segundo os responsáveis médicos, e em “muito boas condições”, de evolução favorável. Ana María González disse mesmo que na sexta-feira Tumirik deverá receber alta médica.

O acidente ocorreu na segunda-feira, depois do avião, que partiu do aeroporto Viru Viru, de Santa Cruz de la Sierra, na Bolívia, cair a 17 quilómetros do aeroporto de Medellín, na Colômbia, na segunda-feira à noite, com 77 pessoas a bordo.

Entre as 71 vítimas, estão 22 jogadores do clube brasileiro Chapecoense - que iria disputar na Colômbia a primeira mão da final da Taça sul-americana -, 22 dirigentes, membros da equipa técnica e convidados, 22 jornalistas e nove tripulantes.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.