O Bayern arrecadou o quinto troféu da época ao vencer a Supertaça Alemã. Os bávaros sofreram mas bateram o Borussia Dortmund por 3-2. Tolisso, Muller e Kimmich marcaram para os campeões europeus e alemães, Haaland e Brandt para o Borussia. Uma resposta à altura da equipa de Hans-Dieter Flick que foi goleado no passado fim-de-semana para a Bundesliga. Esta é a oitava Supertaça do Bayern nas 14 finais que disputou.

O primeiro sinal de 'cansaço' deste poderoso e impiedoso Bayern Munique foi dado no fim-de-semana, quando foi goleado pelo Hoffenheim por 4-1, na segunda jornada da Bundesliga. Uma goleada estranha e imprevisível, depois de os campeões alemães e europeus terem começado o campeonato com uma vitória de 8-0 ao Schalke04. Esta derrota com o Hoffenheim colocou um ponto final na sequência de 23 vitórias seguidas e 32 jogos sem perder.

Mas este seria um jogo diferente. Um jogo que valia um troféu, a Supertaça Alemã. Uma edição diferente da prova e com uma particularidade: é um troféu disputado entre o campeão e o vencedor da Taça mas se o vencedor da Bundesliga for o mesmo que o da Taça, é o segundo colocado do campeonato quem tem de enfrentar o campeão.

Os bávaros, que conquistaram sete das anteriores 13 edições em que participaram, tentavam colocar mais um troféu no museu, já o Borussia Dortmund tentava dar uma imagem diferente neste início de época, e igualar o Bayern em Supertaças, depois de 10 finais disputadas e seis troféus ganhos.

O Bayern Munique, o primeiro clube a ganhar a Supertaça da Alemanha (2-1 ao Hamburgo em 1987), entrou a vencer aos 17 minutos pelo francês Tolisso, servido por Lewandowski, num lance de ataque rápido dos bávaros.

Na equipa de Lucien Favre era Reus quem tentava remar contra a maré. Os 'amarelos', com Raphael Guerreiro a não sair do banco, iam tentando mas a eficácia era bávara. Minuto 31, 2-0: Alphonso Davies mediu bem o centro, Thomas Muller subiu e cabeceou para o 2-0. Tudo difícil para o Dortmund.

Mas antes do intervalo, Julian Brandt descontou aos 39, a passe de Erling Braut Haaland. Um golo que veio dar algum alento à equipa, numa altura em que as oportunidades eram do Bayern Munique.

O segundo tempo trouxe um Dortmund diferente, melhor organizado atrás e com melhores soluções nas saídas para o ataque. O belga Meunier falhou o empate logo aos 46 minutos, após deslize de Davies. A melhoria da equipa de Favre viu-se aos 54 minutos, com o golo do empate. O defesa norte-americano Delaney deixou Haaland na cara de Neuer com um passe fantástico, o norueguês não se intimidou e bateu o gigante alemão, empatando a partida no Allianz Arena.

Mas, isto no futebol, é como na vida: um dia é da caça, outro é do caçador. Haaland voltou a estar só com Neuer aos 58 minutos mas desta vez o guardião alemão levou a melhor e travou o remate do avançado com uma enorme defesa.

Depois Fevre mexeu na equipa e... mal. Tirou Haaland e Meunier e lançou Reinier e Schulz e o Dortmund encolheu. Depois trocou Reus pelo norte-americano Giovanni Reyna e Julian Brandt por Jude Bellingham. Muita juventude na frente que não resultou.

O Bayern, que tinha voltado a estar melhor e estava bem nas saídas, aproveitou um erro de Delaney para fazer o 3-2. Kimmich lançou Lewandwski, o polaco devolveu-lhe a bola e o lateral/médio rematou para defesa de Marwin Hitz. Só que a bola voltou até Kimmich, que mesmo a cair, conseguiu tocar no esférico e coloco-la no fundo das redes.

Hans-Dieter Flick só se pode queixar de si mesmo pela forma como geriu o jogo. Tirou Halland quando o norueguês estava no melhor momento e pagou caro.

Esta é a oitava Supertaça alemã para o Bayern Munique, que esteve 14 vezes na disputa do troféu. O Dortmund falhou a conquista do sétimo troféu.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.