A hipótese de conquistar o título nacional de futebol feminino no Estádio José Alvalade é “inspiradora” para a equipa do Sporting, assumiram hoje a treinadora das ‘leoas’, Susana Cova, e a avançada Ana Borges.

O Sporting sobe ao relvado para o jogo frente ao Benfica, da última jornada da fase de apuramento do campeão da I Liga feminina, a dois pontos das adversárias, após a derrota consentida no domingo, frente ao Sporting de Braga, mas o palco é uma motivação adicional para derrotar as rivais e conquistar o título.

“É um estádio inspirador para nós, também pelo que já foi conseguido lá pela nossa equipa masculina, que nos inspira muito a nós e a outras equipas do nosso clube”, começou por referir a treinadora do Sporting.

Susana Cova frisou, mais do que uma vez, que a sua equipa está a trabalhar para “apresentar a melhor versão de cada uma, individualmente, e de forma coordenada” para poder derrotar o Benfica e conquistar o título, mas o discurso voltou a virar-se, depois, para o palco do jogo de domingo.

Para a treinadora, a oportunidade de jogar no estádio principal “é algo que quem anda a trabalhar na vertente feminina há tantos anos deseja há muito tempo” e que todas as pessoas envolvidas “têm de estar contentes por acontecer”, especialmente as jogadoras, para quem será “um prémio pelo empenho, esforço e dedicação que dão ao clube” todos os dias.

“É ótimo vê-las ter acesso a estes palcos e podermos proporcionar um espetáculo que as pessoas vão estar a ver como se fosse ao nível masculino. Também vemos com gratidão, como um prémio por todo o esforço e trabalho desta gente. É muito positivo”, admitiu Susana Cova.

Um discurso que ‘inspirou’ também a avançada Ana Borges, que lembrou, logo em seguida, que “jogando no Sporting, qualquer jogador ou jogadora quer jogar em Alvalade” e garantiu que “nada pode ser mais motivador do que chegar à última jornada e poder conquistar um título num palco como o Estádio José Alvalade”, no mesmo ano do título da equipa masculina.

“Era ótimo! Acho que não pode haver maior motivação do que essa mesma. Queremos que o troféu esteja ao lado do deles, mas ainda temos 90 minutos para jogar e, no fim, logo se vê”, advertiu a internacional portuguesa.

O Sporting está obrigado a vencer, no domingo, para poder cumprir esse objetivo, depois da derrota na última jornada, que retirou às ‘leoas’ a possibilidade de poder empatar para celebrar o título.

Isso, no entanto, não mudou em nada o pensamento da equipa, garantiu Ana Borges, que só pensa em “conquistar os três pontos”.

“Entramos em todos os jogos para ganhar, não entramos para empatar, porque quem entra a pensar em empatar, se calhar, está mais perto de perder. Sabemos da importância [do jogo], sabemos que continuamos a depender de nós, e não nos interessa se ao Benfica lhes importa o empate. Queremos entrar para ganhar, seja com o Benfica ou qualquer outra equipa”, frisou Ana Borges.

A obrigação de vencer também não muda a mentalidade da treinadora, que garantiu que a pressão é exatamente aquela que a equipa deseja.

“A nossa pressão é apenas trabalharmos para termos a nossa melhor versão de cada uma e coordenada dentro daquele campo. Há coisas em que queremos estar centradas, isso é que são as coisas que podemos controlar e onde queremos estar”, concluiu Susana Cova.

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.

Ajude-nos a melhorar o SAPO Desporto