A apresentação das estátuas dos antigos futebolistas brasileiro Pelé e argentino Diego Maradona marcou na quarta-feira o sorteio das edições de 2018 das taças Libertadores e Sul-americana, realizado no Paraguai.

As estátuas, em tamanho real, 'envergam' as camisolas número 10 e cada uma levanta o troféu do campeonato do mundo, sendo uma representação de momentos marcantes da carreira dos dois antigos jogadores ao serviço das respetivas seleções.

Pelé conquistou três mundiais ao serviço da 'canarinha' (1958, 1962 e 1970), tendo ainda conquistado a Taça Libertadores em duas ocasiões, 1962 e 1963, ao serviço do único clube que representou no Brasil, o Santos.

Diego Maradona 'guiou' a seleção 'albiceleste' à conquista do Mundial de 1986, disputado no México, saindo derrotado da final da edição de 1990, na Itália, após derrota no jogo decisivo frente à Alemanha.

No currículo, Maradona não conta com qualquer jogo na Taça Libertadores, tendo sido contratado pelo FC Barcelona em 1982, um ano depois de ter sido campeão argentino ao serviço do Boca Juniors.

Relativamente ao sorteio, destaque para o grupo sete, já denominado como o 'da morte”, composto pelos campeões do ‘Brasileirão’, o Corinthians, pelos vencedores do Torneio Clausura da Colômbia, o Millonarios, pelo vice-campeão venezuelano, o Deportivo Lara, e pelo campeão da edição de 2017 da Taça Sul-americana, os argentinos do Independiente.

O atual campeão da Libertadores, o Grêmio, terá como adversários os paraguaios do Cerro Porteño, o Monagas da Venezuela e os uruguaios do Defensor Sporting.

O início da competição está marcado para o dia 22 de janeiro de 2018, com o torneio a desdobrar-se em três fases de eliminatórias, de forma a definir os quatro equipas que irão completar quatro dos oitos grupos definidos neste sorteio.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.