No “Barça” de 1995/1996 a 1999/2000 e ao serviço dos “brancos” de 2000/2001 a 2004/2005, Figo é o único jogador português que disputou este “duelo” dos dois lados e é o líder também no que respeita a golos (quatro).

Além de Figo, apenas Simão, que representou o FC Barcelona em 1999/2000 e 2000/2001, também conseguiu facturar no grande clássico, curiosamente no mais marcante para o mais internacional “AA” dos jogadores lusos, o primeiro como jogador do Real Madrid no Nou Camp.

Depois de cinco anos de ouro na Catalunha, o “7” do “Barça” virou “10” do Real Madrid e, no regresso a Barcelona, a 21 de Outubro de 2000, foi o foco de todas as atenções e, sobretudo de todos os insultos.

Mas, no que ao futebol diz respeito, o triunfo pertenceu ao FC Barcelona, com golos de Luis Enrique, curiosamente um ex-“merengue” (26 minutos), e do então jovem Simão (79), que disputou nesse dia o seu único clássico.

Figo lidera também, naturalmente, em vitórias (nove), empates (oito) e derrotas (seis), enquanto Simão é o único 100 por cento vitorioso e partilha Fernando Couto e Secretário o estatuto de invicto.

Couto, que representou o “Barça” em 1996/97 e 97/98, e Secretário, “merengue” em 96/97, somam cada qual uma vitória e um empate, este último a 06 de Fevereiro de 1997, para a Taça do Rei (1-1 em Madrid), no único clássico com quatro portugueses – Vítor Baía e Figo também jogaram.

O ex-guarda-redes portista (representou o FC Barcelona entre 1996/97 e 98/99, perdeu uma vez, mas também apresenta um registo positivo, com dois empates e um empate nos restantes três jogos, tendo sofrido cinco golos.

Se Baía conta quatro jogos, Deco, “catalão” entre 2004/2005 e 2007/2008, soma seis e igual número de triunfos, empates e desaires.

Um pouco melhor está outro luso-brasileiro, o central Pepe, no Real Madrid desde 2007/2008, com dois triunfos, um deles em Nou Camp, e um desaire.

Por seu lado, dois ex-“leões” apresentam balanços negativos, entre eles Ricardo Quaresma, que, em 2003/2004 (única época nos catalães) só teve direito a 45 minutos (saindo do banco), num desaire caseiro por 2-1.

O pior registo entre os jogadores lusos, é o de Cristiano Ronaldo, que, a época passada, a sua primeira como “merengue”, perdeu os dois jogos com o FC Barcelona (0-1 em Nou Camp, onde saiu aos 65 minutos, e 0-2 em casa).

Ronaldo e Pepe devem cumprir novo clássico segunda-feira, em Nou Camp, que marcará a estreia de Ricardo Carvalho e de José Mourinho, o segundo treinador luso no clássico, depois de Carlos Queiroz.

Em 2003/2004, o treinador do Real Madrid ganhou no Nou Camp (2-1) e perdeu no Santiago Bernabéu pelo mesmo resultado.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.