Jesualdo Ferreira, tricampeão pelo FC Porto e actual técnico dos espanhóis do Malága, disse hoje, em entrevista ao jornal AS, que Cristiano Ronaldo já o “matou” uma vez, lembrando um jogo da Liga dos Campeões em futebol.
“Defrontei-o (a Cristiano Ronaldo) um par de vezes. Na Champions, com o Manchester United, matou-me com um ‘golaço’ a mais de 30 metros e que nos custou a eliminação”, disse o antigo técnico portista, lembrando o confronto de 2008/2009 com o Manchester United (2-2 em Inglaterra e 0-1 no Dragão).
Jesualdo não deixou ainda de analisar o extremo português e o avançado argentino Higuaín, também dos “merengues”, estabelecendo que Cristiano depende menos dos outros para aparecer em zona de finalização.
“O Cristiano é muito potente, é forte e chuta bem. É também forte no jogo aéreo. O Higuaín tem uma muito boa finalização, mas a diferença é que trabalha para si mesmo dependendo dos outros e Cristiano é muitas vezes capaz de depender apenas de si mesmo”, explicou.
O treinador não quis diferenciar o internacional português de Messi, referindo a importância dos dois, um como o melhor do ano passado e o outro no ano anterior, sendo que Cristiano Ronaldo vem de uma época de mudança e lesões.
Quanto a Mourinho, Jesualdo Ferreira disse que “o assunto está resolvido”, em alusão a um alegado veto do treinador do Real Madrid em 2002 a ter o agora treinador do Málaga como seu adjunto no Benfica e que inviabilizou a ida de Mourinho para os “encarnados”.
“O assunto com Mourinho está resolvido. As relações são absolutamente cordiais”, disse Jesualdo Ferreira.
Para o jogo de sábado, no La Rosaleda, o treinador salienta a ambição de vencer, mesmo quando tem pela frente o Real Madrid. “Quero ganhar sempre. Se empatar ou perder com o Real tenho a mesma sensação de desilusão que se tem quando se perde um jogo com uma equipa menos forte. Não gosto nada de perder”, referiu ainda o técnico.
Jesualdo Ferreira disse também ao AS que estes jogos até são os mais fáceis de preparar, pela motivação extra, porque todos querem jogar, enquanto que, do outro lado, Mourinho terá mais dificuldades nessa matéria.
Na entrevista, o treinador luso assinalou ainda a necessidade de ganhar agressividade na defesa, que tem 12 golos sofridos, os mesmos que a equipa conseguiu marcar.
“Jogámos contra equipas de topo, mas há que trabalhar muito o equilíbrio da equipa. Temos muita agressividade ofensiva, mas não conseguimos ter essa mesma agressividade na defesa”, finalizou.

Newsletter

Receba o melhor do SAPO Desporto. Diariamente. No seu email.

Notificações

SAPO Desporto sempre consigo. Vão vir "charters" de notificações.

Na sua rede favorita

Siga-nos na sua rede favorita.