O treinador do Real Madrid, José Mourinho, afirmou, após a vitória em casa sobre o Valência (2-0), que o mais importante "era ganhar" na 14.ª jornada da Liga espanhola de futebol, depois da goleada sofrida no Nou Camp, com o Barcelona (5-0).

"O mais importante hoje era ganhar um jogo muito difícil, porque não é fácil reagir a um dia péssimo e um resultado tão mau. Hoje, faltava-nos confiança e auto-estima. Era mais importante começar o jogo sem sofrer do que atacando. Por isso mudei a equipa, com a intenção de não sofrer, porque imaginei o que aconteceria à minha equipa e aos adeptos se entrássemos no jogo sem controlá-lo e sofrêssemos o primeiro golo", disse Mourinho, justificando a mudança de sistema.

O técnico explicou a ausência de um avançado centro, consciente de que a postura mais conservadora poderia merecer críticas.

"Queria pressionar mais e ter o jogo mais controlado. Não queria sofrer um golo, porque se o Valência ficasse em vantagem, a minha equipa não teria força psicológica para mudar o resultado. Essa foi a razão da estratégia. Não era uma mensagem para ninguém, sim para ganhar o jogo", afirmou.

Mourinho admitiu que a táctica era um risco, "porque se as coisas saíssem mal, o treinador seria muito criticado por entrar em campo em casa sem o seu único avançado centro".

"Sou assim. Não me deixo impressionar pelas consequências a nível de críticas", acrescentou.

O técnico escusou-se a falar sobre a expulsão de Albelda, por acumulação de cartões amarelos, quando o resultado ainda estava em branco: "Não quero falar do árbitro. Não posso. Se o fizer, não tenho de falar só da expulsão de Albelda, mas também de um penálti [sobre Di Maria] e de uma expulsão na sequência dessa jogada, entre outras coisas de que não quero falar".

Seja o melhor treinador de bancada!

Subscreva a newsletter do SAPO Desporto.

Vão vir "charters" de notificações.

Ative as notificações do SAPO Desporto.

Não fique fora de jogo!

Siga o SAPO Desporto nas redes sociais. Use a #SAPOdesporto nas suas publicações.