O Sporting ia enfrentar o desconhecido. É que os leões nunca tinham medido forças frente à equipa de pireu e nunca se tinham estreado na fase de grupos da Champions com um triunfo fora de portas. Urgia, portanto, a necessidade do clube de Alvalade entrar com o pé direito na Liga Champions, vencendo no terreno do eterno campeão da Grécia (O Olympiacos venceu 13 das últimas 15 edições do campeonato grego). Com os colossos Barcelona e Juventus no grupo, a equipa de Jorge Jesus precisa de somar o máximo de pontos possível frente ao adversário teoricamente mais fraco. E parte do objetivo foi conseguido.

Festival na primeira parte

O leão foi indomável na primeira parte. Com Jorge Jesus a trocar Bas Dost por Doumbia na frente, o Sporting tornou-se mais retilíneo e explosivo. As rápidas transições ofensivas dos leões, com Bruno Fernandes a municiar os alas Acuña e Gelson, deram frutos e os leões viram-se a ganhar ao intervalo por 3-0. Mas como o técnico dos leões admitiria mais tarde na flash após a partida, o Sporting poderia ter saído para o intervalo a vencer por pelo menos mais três golos. Duas bolas ao poste (de Gelson e Bruno Fernandes) e mais um punhado de oportunidades poderiam ter colocado o marcador com outros números. Sorte para o Olympiacos e mérito também para o guardião Karpino. Já a equipa da casa, só se conseguiu soltar na partida a meio da primeira parte. O ex-benfiquista Carcela tentava resolver os problemas coletivos da equipa grega, mas sem grande sucesso. O Sporting comandava o jogo e saia para o intervalo dono e senhor. O feitiço virou-se contra o feiticeiro e o inferno grego que costuma acossar os adversários, virou inferno para o Olympiacos que quase nunca acertou com as marcações aos jogadores do Sporting.

Minutos finais sofridos

Na segunda parte, o Sporting controlou os ímpetos e tentou fazer uma gestão controlada. Jesus queria evitar que o jogo partisse e beneficiasse os homens da casa. Tirou Doumbia e Gelson e lançou Bruno César e Bas Dost. A ideia era gerir e matar se surgisse a oportunidade. Mas a equipa do pireu é conhecida por nunca se dar por vencida.
Os helénicos reforçaram-se no meio, encostando Odjidja na frente junto ao dianteiro Djurdjevic, e começaram a dar mais dores de cabeça aos leões. Os últimos minutos da partida foram de loucos. Primeiro Bas Dost podia ter dado a estocada final na partida com um remate ao poste. Pareciam enfeitiçados os ferros das balizas de Karpino. Nos minutos finais, o Olympiacos marcou dois golos e colocou em sobressalto a equipa dos leões. Pardo (ex-jogador do SC Braga) apanhou a defesa do Sporting já a pensar na viagem para Lisboa e bisou. Mas o Sporting acabou por garantir os três pontos importantes na Grécia e vencer de forma inédita o Olympiacos.

Momento

O ambiente nas bancadas era escaldante. Os estádios gregos são conhecidos por tornarem o ambiente como de extrema hostilidade para os adversários. Mas logo no primeiro minuto aconteceu o que de melhor podia ter acontecido aos leões. Doumbia abriu o marcador de forma madrugadora. Era o tónico de que a equipa de Jorge Jesus precisava.

Altos

Doumbia

Voltou a ser arma secreta nas competições europeias. Tal como tinha acontecido na partida com o Steaua na Roménia, o costa-marfinense voltou a ser decisivo ao inaugurar o marcador. Esteve também envolvido em várias jogadas de ataque e fez a assistência para o golo de Gelson Martins.

Gelson Martins

A sua velocidade colocou em xeque a frágil defensiva grega e voltou a demonstrar que é homem para as grandes ocasiões. Marcou o segundo golo dos leões, depois de assistência de Doumbia.

Bruno Fernandes

É a bússola do miolo leonino e o timoneiro do jogo ofensivo do Sporting. Depois de ter atirado uma bola ao poste, voltou a fazer o gosto ao pé depois de tido frieza e classe para bater o guardião do Olympiacos.

Odjidja

Foi um dos homens mais inconformados do Olympiacos e foi quando subiu no terreno na segunda parte, que o médio belga mais problemas causou.

Pardo

Numa altura em que o resultado estava fechado, o ex-avançado do SC Braga ainda fez o Olympiacos sonhar com dois golos, mas já não havia tempo para mais.

Baixos

Defesa do Olympiacos

Estendeu uma autêntica auto-estrada para os rápidos atacantes dos leões. O Olympiacos revelou uma fragilidade ofensiva raramente vista na Liga dos Campeões e o campeão grego só por acaso é que não foi para o intervalo a perder por 'meia dúzia'.

Curiosidades (Playmaker stats)

- É a 3.ª vez que o Sporting entra a vencer nos grupos da Champions League, contudo, nunca conseguiu passar à fase seguinte (1998, 2006).

- Foi a 1ª vez que o Sporting venceu o jogo de abertura [fora] na UEFA Champions League: 2008 D 3-1 Barcelona 2014 E 1-1 Maribor 2016 D 2-1 Real Madrid 2017 V 2-3 Olympiacos.

- Há 23 anos que um treinador do Sporting (em prova em Portugal e na UEFA), não conseguia estar invicto nos primeiros 8 jogos da temporada.

Reações

Bruno Fernandes: "Todas as vitórias são importantes na Liga dos Campeões"
Bruno Fernandes: "Todas as vitórias são importantes na Liga dos Campeões"
Ver artigo

Mathieu: "A fase final foi difícil mas o importante são os três pontos"
Mathieu: "A fase final foi difícil mas o importante são os três pontos"
Ver artigo

Jorge Jesus: "Exibição foi brilhante, mas podíamos ter saído daqui com um resultado histórico"
Jorge Jesus: "Exibição foi brilhante, mas podíamos ter saído daqui com um resultado histórico"
Ver artigo